Ecstasy prejudica visão e cérebro

Imagem da notícia: Ecstasy prejudica visão e cérebro

O consumo de ecstasy prejudica não só o cérebro, mas também a visão, provocando alterações na percepção e acuidade visual durante pelo menos 24 horas, de acordo com um estudo realizado pelos investigadores da Universidade de Coimbra (UC).

Em declarações à agência Lusa, o coordenador do estudo, Francisco Ambrósio, revelou que “havia inúmeros estudos sobre os danos que esta droga provoca no cérebro mas nenhum a nível da fisiologia da retina”.

Neste estudo, que foi publicado na revista científica “‘PlosS One”, os investigadores administraram a ratos “uma dose única, elevada, de ecstasy” tendo observado que o electrorretinograma apresentava alterações, que persistiam 24 horas após o consumo.

O que os investigadores procuram agora perceber são quais os efeitos do consumo regular de ecstasy, ou seja, se doses mais baixas, mas consumidas regularmente, têm o mesmo impacto, tendo em conta dois padrões de consumo: o jovem que consome a droga diariamente e que o faz apenas aos fins-de-semana.

 

 

9 Janeiro 2012
Atualidade

PUBLICIDADE
MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Telemedicina continua a “criar ondas” na oftalmologia

A pandemia de Covid-19 está a transformar a forma como a medicina é praticada em todo o mundo. Novas alternativas para o modus operandi da prestação de cuidados de saúde tradicionais têm sido escolhidas durante estes tempos incertos.

Ler mais 22 Setembro 2020
AtualidadeOftalmologia

Covid-19: oftalmologistas precisam de vigiar manifestações oculares

No final de março, foi publicado na JAMA Ophthalmology o primeiro relatório sobre 12 casos de conjuntivite em 38 pacientes hospitalizados com Covid-19 na província de Hubei, na China. Essas descobertas foram cruciais para espalhar o alarme sobre uma possível infeção por SARS-CoV-2 através do olho e a necessidade de proteger os profissionais de saúde visual.

Ler mais 16 Setembro 2020
AtualidadeOftalmologia