Bastonário da Ordem dos Médicos defende uso do Avastin em oftalmologia

Imagem da notícia: Bastonário da Ordem dos Médicos defende uso do Avastin em oftalmologia

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu que só os interesses comerciais das farmacêuticas justificam que o medicamento Avastin continue sem aprovação do Infarmed para uso oftalmológico.
“Não tem aprovação, porque o laboratório não quer submeter o Avastin a essa aprovação, por uma questão de interesse comercial, prefere vender o medicamento mais caro do que vender o mais barato”, declarou à Agência Lusa José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos.

Na base da alegada guerra farmacêutica, explicou o bastonário, estão dois medicamentos do mesmo laboratório: o Lucentis, aprovado em Portugal pelo Infarmed para o tratamento da Degenerescência Macular relacionada com a Idade, e o Avastin, aprovado para uso oncológico, e sem autorização do regulador para uso oftalmológico, mas recorrentemente utilizado pelos médicos para tratamentos aos olhos.

No entanto, explicou o bastonário, apesar da falta da autorização do regulador, a prescrição do Avastin para tratamentos oftalmológicos suporta-se num parecer da Ordem dos Médicos emitido no ano passado, com base em avaliações positivas do Consultivo da Política do Medicamento e do Colégio de Oftalmologia, que, por sua vez, se basearam num estudo científico norte-americano financiado por uma entidade pública, “e não pelo laboratório, que não estava interessado no estudo”.

“Não há justificação para não ser utilizado o Avastin em vez do Lucentis. As duas moléculas mostraram efeitos semelhantes para essas indicações ao fim de dois anos num estudo científico”, referiu o bastonário. Segundo adianta, isso “seria mais que suficiente para o Avastin ter uma aprovação pelas entidades reguladoras para a utilização em oftalmologia”, mas “o laboratório detentor das duas moléculas não está interessado em obter essa aprovação, porque o Lucentis é muitíssimo mais caro que o Avastin”, explicou José Manuel Silva.

22 Maio 2012
Atualidade

PUBLICIDADE
MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Covid-19: oftalmologistas precisam de vigiar manifestações oculares

No final de março, foi publicado na JAMA Ophthalmology o primeiro relatório sobre 12 casos de conjuntivite em 38 pacientes hospitalizados com Covid-19 na província de Hubei, na China. Essas descobertas foram cruciais para espalhar o alarme sobre uma possível infeção por SARS-CoV-2 através do olho e a necessidade de proteger os profissionais de saúde visual.

Ler mais 16 Setembro 2020
AtualidadeOftalmologia

Descoberta origem comum a seis doenças psiquiátricas

Um novo estudo mundial, do qual faz parte uma equipa de investigadores da Escola de Medicina da Universidade do Minho - coordenada por Pedro Morgado (na foto) -, descobriu que ocorrem modificações no córtex que são comuns às seis principais doenças psiquiátricas.

Ler mais 15 Setembro 2020
Atualidade