“O Hospital de São João é a minha casa”

Imagem da notícia: “O Hospital de São João é a minha casa”

De trato fácil e simpatia genuína, Jorge Breda mostrou-nos as instalações da Unidade de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo do Serviço de Oftalmologia do HSJ – secção que dirige.

OftalPro: Prefere trabalhar no setor público ou no privado?

Jorge Breda: Gosto muito de trabalhar no Hospital de São João. Estudei aqui, vivi sempre aqui. É a minha casa. Todos os locais onde trabalho têm virtualidades, têm pontos muito positivos e pontos menos conseguidos que são compensados uns pelos outros. Repare-se no setor público. É uma atualização permanente, contato constante com os mais novos, necessidade de ensinar os que estagiam connosco, aprender muito com os colegas internos que se preparam para o futuro. Reuniões clínicas diárias com todos e com todas as patologias, diálogo constante. Patologias raras e patologias difíceis. Investigação, reunir tipos de patologias e pensar sobre elas. Parar e pensar. Conversar com os colegas, ensaiar terapêuticas, meditar em cirurgias alternativas. Produzir trabalho científico. Menos bom, para mim, é não haver livre escolha. O doente vem à minha consulta porque é obrigado. Reside na área de influência do Hospital, tem que vir cá quando está doente e o sistema distribui-o a este médico-funcionário. É a parte menos conseguida, no meu entendimento, além da má retribuição económica que não dá atenção nem ao volume nem à qualidade do trabalho.

Para além de melhor retribuídos, no setor privado somos escolhidos pelo doente para os tratarmos. E isto é uma diferença fundamental, gera confiança e boa relação médico-doente. É muito gratificante. Mas, por outro lado, não há reuniões diárias nem atualização permanente em todas as áreas da Oftalmologia. Por isso me sinto tão bem ao trabalhar neste binómio que, a meu ver, se completa. O setor público beneficia muito com o nosso trabalho no setor privado onde ganhamos para comprar os livros, para nos inscrevermos nos Congressos e para nos deslocarmos aos fóruns mundiais da Oftalmologia (sempre me desloquei à minha custa, o hospital limita-se a dispensar-me de trabalhar 15 dias por ano, não gasta um cêntimo). Desta forma, o Hospital beneficia muito com o meu trabalho no setor privado, assim como este com o meu trabalho no setor público.

Toda a entrevista na OftalPro 25.

13 Maio 2014
Entrevistas

`

Notícias relacionadas

“Temos a missão de simplificar a saúde”

A DocBay surge em 2023, numa ideia que nasce da necessidade de trazer "software moderno para simplificar a área da saúde, marcada por complexidade, tanto na experiência de acesso à saúde para o paciente como no trabalho do médico".

Ler mais 18 Abril 2024
Entrevistas

“A minha vida mudou drasticamente. Tive de aprender a ver com novos olhos”

Diagnosticada com a doença de Stargardt aos 30 anos, o mundo de Tarris Marie é atualmente um espaço de “possibilidades infinitas” que lhe fez encontrar novos caminhos nas artes, como a escrita ou o teatro. O livro de estreia, Blaque Pearle, é o rosto de uma criadora artística que usa “fragmentos da vida, imaginação e experiências para contar histórias”. 

Ler mais 28 Março 2024
Entrevistas