“Quero acompanhar o evoluir”

Imagem da notícia: “Quero acompanhar o evoluir”

Jorge Breda nasceu em Lisboa, a 3 de dezembro de 1951. No ano de 1975, licenciou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universiade do Porto (HSJ) e, em 1984, especializou-se em Oftalmologia, após estágio no Hospital de São João, no Porto.

É, desde 1991, responsável pela Unidade de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo do
Serviço de Oftalmologia do HSJ, assegurando também a Consulta de Oftalmologia Pediátrica do Hospital CUF (Porto) e a Consulta de Oftalmologia Pediátrica em clínica privada.

Jorge Breda foi membro da Direção do Centro de Morfologia Experimental da Universidade do Porto,
membro do Conselho Pedagógico da Faculdade de Medicina do Porto, membro da Direção do Colégio de Oftalmologia da Ordem dos Médicos,
representante de Portugal no Comité Europeu para a Revisão dos Estágios em Oftalmologia,
presidente do Colégio de Oftalmologia da Ordem dos Médicos, coordenador do Grupo Português de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo, presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) e presidente da Assembleia Geral da SPO.

OftalPro: O que o move, na vida e na profissão?
Jorge Breda:
Confesso que não sei bem, estou no meu outono. Gostava de ser mais culto e mais sabedor. Tenho pena de não ter lido convenientemente os clássicos, de não saber mais de pintura e de música. Procuro muito seguir ao lado das pessoas bem formadas, das que não se deixam influenciar por aquilo que mais convém na conjuntura. Quanto à profissão, quero aprender sempre mais e exercê-la em conjunto com colegas mais novos em ambiente multidisciplinar. Acompanhar o evoluir. Tenho esperança de que possa ser assim, que a ética prevaleça e que continue a haver médicos que são mesmo médicos. Apesar de todas as dificuldades que nos colocam.

Entrevista na íntegra na OftalPro 25.

2 Junho 2014
Entrevistas

`

Notícias relacionadas

“Temos a missão de simplificar a saúde”

A DocBay surge em 2023, numa ideia que nasce da necessidade de trazer "software moderno para simplificar a área da saúde, marcada por complexidade, tanto na experiência de acesso à saúde para o paciente como no trabalho do médico".

Ler mais 18 Abril 2024
Entrevistas

“A minha vida mudou drasticamente. Tive de aprender a ver com novos olhos”

Diagnosticada com a doença de Stargardt aos 30 anos, o mundo de Tarris Marie é atualmente um espaço de “possibilidades infinitas” que lhe fez encontrar novos caminhos nas artes, como a escrita ou o teatro. O livro de estreia, Blaque Pearle, é o rosto de uma criadora artística que usa “fragmentos da vida, imaginação e experiências para contar histórias”. 

Ler mais 28 Março 2024
Entrevistas