Yoga e glaucoma de mão dada?

Imagem da notícia: Yoga e glaucoma de mão dada?

Algumas posições de yoga poderão ser “fatais” para pessoas que sofrem de glaucoma. De acordo com um novo estudo publicado pela New York Eye and Ear Infirmary of Mount Sinai (NYEE), no jornal Plos One, em causa está o aumento de pressão ocular em posições nas quais a cabeça está invertida.

“Embora encorajemos os nossos pacientes a fazer exercício físico, certos movimentos como flexões e levantamento de pesos devem ser evitados pelos doentes com glaucoma devido ao risco de aumentar a pressão arterial e danificar o nervo ótico”, disse Robert Ritch, do departamento de glaucoma da NYEE. “Este novo estudo deve servir para alertar para o risco de aumento da pressão em posições inversas”, continuou.

Num teste, os investigadores analisaram os dados de praticantes de yoga, sem quaisquer problemas oculares como glaucoma, e mediaram os níveis de pressão ocular em praticantes que realizaram posições nas quais a sua cabeça estava perto do chão. Os dados abrangeram dois níveis: mediram dois minutos de pose perpetuada e voltaram a medir 10 minutos após a realização da pose.

Constatou-se que este público do teste apresentou valores elevados de pressão ocular, principalmente na posição Adho Mukha Svanasana. Após 10 minutos da execução das posições, a pressão ocular mantinha-se ligeiramente elevada em comparação com os valores base. Como conclusão, os investigadores aconselham os praticantes de yoga com glaucoma a falar com o seu instrutor, de forma a adaptar um plano de aulas apropriado.

11 Janeiro 2016
Atualidade

PUBLICIDADE
|MIDO 2022
`

Notícias relacionadas

“Em 2050, uma em cada duas pessoas vão sofrer de miopia”

O alerta é da OMS sublinhado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. No Dia Mundial da Visão a instituição chama atenção para a excessiva exposição de crianças a dispositivos eletrónicos. 80% de todas as causas de deficiência visual são evitáveis ou podem ser tratáveis mediante prevenção adequada.

Ler mais 14 Outubro 2021
AtualidadeOftalmologia