Retinopatia diabética: ARSLVT quer alargar programa de rastreio anual

Imagem da notícia: Retinopatia diabética: ARSLVT quer alargar programa de rastreio anual

A retinopatia diabética é uma das principais comorbilidades da diabetes mellitus e pode levar à cegueira. Face à dificuldade que se tem sentido em que os doentes realizem o rastreio anualmente, previsto nas guidelines internacionais, a Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) iniciou, em fevereiro, o rastreio da retinopatia diabética de base populacional. A iniciativa engloba quatro ACES: Estuário do Tejo (16 mil diabéticos), Lisboa Ocidental e Oeiras (15 mil), Lisboa Norte (15 mil) e Lisboa Central (17 mil).

Segundo o portal Just News, o objetivo é alargar o projeto a mais quatro ACES, até ao final de 2016, concretamente, os de Sintra, Loures-Odivelas, Amadora e Cascais. Na prática, pretende-se alargar a cobertura a mais de 58 mil pessoas com diabetes. No total, na região de Lisboa e Vale do Tejo, prevê-se conseguir rastrear este ano 118 mil utentes com diabetes, o que corresponde a metade dos que estão inscritos nas unidades de CSP.

No ACES Estuário do Tejo, o rastreio teve início no concelho de Arruda dos Vinhos (USF Arruda, UCSP de Arruda dos Vinhos e de Arranhó) e, ao longo de 2016, vai abranger os restantes concelhos que integram o ACES — Alenquer, Azambuja, Benavente e Vila Franca de Xira –, envolvendo todas as unidades de saúde. Em Lisboa Ocidental e Oeiras, o programa de rastreio iniciou-se na UCSP de Oeiras e abrange também a UCSP Linda-a-Velha e a USF Descobertas. No ACES Lisboa Norte, arrancou na UCSP Sete Rios. Quanto ao ACES Lisboa Central, teve início na UCSP Alameda.

Segundo a ARSLVT, que tem vários parceiros neste projeto, como as autarquias e a Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, “esta nova resposta a nível dos CSP vai facilitar a acessibilidade dos utentes a uma consulta hospitalar para a realização de tratamentos”. De relembrar que a ARS já havia assinado um protocolo com a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), o que garante o acesso ao rastreio em sete outros ACES: Almada-Seixal, Arco Ribeirinho, Arrábida, Lezíria, Médio Tejo, Oeste Norte e Oeste Sul.

Saiba mais aqui.

 

14 Setembro 2016
Atualidade

PUBLICIDADE
|MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Huvitz HOCT: o novo equipamento “5 em 1”

Para além da medição da Biometria, o novo Huvitz HOCT permite fazer a medição da Topografia. O novo Huvitz HOCT está “mais completo”, prometendo concentrar várias capacidades num único equipamento.

Ler mais 14 Junho 2021
AtualidadeLentes e equipamentosOftalmologia

APOR: junho com novo “desafio fotográfico”

A Associação Portuguesa de Ortoptistas (APOR) lançou em janeiro a iniciativa “desafio fotográfico”, um desafio mensal que consiste na “elaboração e envio de uma imagem, em formato fotográfico, alusiva à atividade profissional de Ortopista”. O tema escolhido para junho é o “Segmento Anterior”.

Ler mais 14 Junho 2021
AtualidadeCuriosidadeEventos e Formação