Vitamina A atrasa o progresso da retinite pigmentosa

Imagem da notícia: Vitamina A atrasa o progresso da retinite pigmentosa

Estudos indicam que a vitamina A pode atrasar a perda gradual da visão periférica em crianças, sendo este o principal sintoma da retinite pigmentosa.

A afirmação tem por base um estudo que incluiu 55 pacientes com esta patologia que tomaram suplementos orais de vitamina A, enquanto que outros 25 pacientes não foram tratados e serviram de controlo. Os indivíduos foram acompanhados entre 4 a 5 anos.

A suplementação de vitamina A foi, aproximadamente, associada com 50% de desaceleração da taxa exponencial média de declínio da amplitude do eletrorretinograma do cone de campo total em comparação com os indivíduos de controlo.

Os resultados sugerem que a vitamina A pode ser útil para retardar a progressão da retinite pigmentosa em crianças. Particularmente, o suplemento de vitamina A pode ser benéfico para crianças com alto risco de doença agressiva.

Saiba mais aqui.

13 Abril 2018
Oftalmologia

PUBLICIDADE
|MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Andreia Rosa candidata ao Board do ESCRS

A atual coordenadora do Grupo Português de Cirurgia Implanto-refractiva é uma das candidatas à direção do European Society of Cataract and Refractive Surgeons. As eleições para o Board do ESCRS estão abertas para membros desta sociedade até 30 de agosto.

Ler mais 3 Agosto 2021
AtualidadeOftalmologia

Paulo Barbeiro mostra as vantagens do sistema OphthalSuite

O diretor da Blueworks - Medical Expert Diagnosis, explica num artigo de opinião, como funciona o software desenvolvido pela Blueworks, uma tecnologia essencial para “a mudança de paradigma” no setor da oftalmologia.

Ler mais 2 Agosto 2021
Lentes e equipamentosOftalmologiaOpiniãoRevista

Rastreio da ambliopia realizado uma vez aos 3-4 anos é altamente efetivo

Os dados foram revelados num estudo recentemente publicado na revista BMJ Open Ophalmology, que contou com a participação a nível nacional de Sandra Guimarães, coordenadora do Serviço de Oftalmologia do Hospital Escola da Universidade Fernando Pessoa. O estudo pode ser lido na revista OftalPro 53.

Ler mais 30 Julho 2021
OftalmologiaRevista