Movimentos oculares podem revelar esclerose múltipla

Imagem da notícia: Movimentos oculares podem revelar esclerose múltipla

Uma equipa de investigadores da Universidade do Minho descobriu que os movimentos oculares podem “revelar alterações cognitivas em pessoas com esclerose múltipla”.

Em comunicado, a UMinho explica que a investigação, publicada na revista científica norte-americana PeerJ, demonstrou que “os portadores de esclerose múltipla têm problemas a realizar os movimentos mais comuns do olho, ou seja, quando o olho muda rapidamente em direção a algo específico”.

“Na prática, as pessoas diagnosticadas com aquela doença levaram mais tempo a iniciar o movimento ocular e, depois, a fixar com precisão o alvo visual. Por outro lado, ao olharem voluntariamente para outra direção, por exemplo, para o lado esquerdo quando uma luz piscava no lado direito, mostraram mais dificuldades a fazê-lo face a pessoas sem aquela doença”, aponta a UMinho.

O estudo “mostrou que aqueles movimentos oculares são um marcador quantitativo de danos neurais, ao comprometer a capacidade de inibir ou controlar as respostas impulsivas (ou automáticas) da pessoa com esclerose múltipla”. Esta descoberta poderá “influenciar a escolha de novos tratamentos e as técnicas de acompanhamento da progressão da doença”.

Note-se que a esclerose múltipla atinge entre cinco mil a seis mil portugueses, dos quais cerca de dois terços são mulheres.

26 Outubro 2018
Oftalmologia

PUBLICIDADE
MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Especialistas apelam à retoma da vigilância oftalmológica

Embora os tempos recentes tenham conduzido a alterações substanciais no acesso aos cuidados oftalmológicos, os tratamentos e consultas de acompanhamento junto do profissional da visão devem ser mantidos numa base regular para evitar danos graves na visão.

Ler mais 9 Outubro 2020
Oftalmologia