António Melo: “A diabetes é muito comum em Portugal”

Imagem da notícia: António Melo: “A diabetes é muito comum em Portugal”

O médico oftalmologista António Melo, do Hospital da Cruz Vermelha, alertou-nos para os flagelos da diabetes. Sabia que cerca de 90% dos diabéticos tipo 1 e 50% dos diabéticos tipo 2 apresentam lesões na retina ao fim de 20 anos? A retinopatia diabética é uma das principais consequências e António Melo explica-nos porquê.

OftalPro: Considera suficiente a consciencialização atual para os perigos da diabetes?

António Melo: Tal como consta no Programa Nacional para a Diabetes de 2017 da DGS, a diabetes é uma doença crónica muito comum em Portugal. Se não for corretamente tratada pode levar à morte antes dos 70 anos. Estima-se que em 2015 a prevalência da diabetes em Portugal era de 13,3%. Esta continua a aumentar com o progressivo envelhecimento da população e com a maior frequência de obesidade, devido ao fácil acesso a dieta hipercalóricas. Apesar de um esfoço grande de comunicação à sociedade civil, penso que a população em geral continua a não ter a total consciência dos perigos desta doença.

OF: O que podem os centros oftalmológicos e entidades hospitalares fazer?

AM: A retinopatia diabética é a principal causa de cegueira evitável na população ativa. A deteção precoce da retinopatia permite o tratamento mais eficaz com redução do risco de perca da visão. Calcula-se que em Portugal existam cerca de 990.000 diabéticos. Destes cerca de 20% terão retinopatia, pelo que estamos a falar em detetar precocemente a retinopatia em perto de 200.000 pessoas. Para garantir a cobertura nacional do rastreio da retinopatia diabética, é necessário o recurso à retinografia obtida por câmaras não midriáticas, seguindo as normas da DGS. Esse aparelhos poderiam estar localizadas nos centros de saúde, que cobrem todo o território nacional. Fazer o rastreio é a parte fácil. O que eu pergunto é: Como vamos orientar os doentes que precisam de ser tratados? É aqui que os oftalmologistas têm um papel crucial, pois os doentes que necessitam de ser tratados têm de ter acesso, em tempo útil, a esses tratamentos. Como a Diabetes Mellitus é uma doença multiorgânica, isto é, também atinge outros órgãos como o rim, o coração, o cérebro, é necessário uma abordagem multidisciplinar com envolvimento de médicos especialistas nas várias áreas.

Entrevista completa na OftalPro 43.

10 Janeiro 2019
Entrevistas

PUBLICIDADE
Mido 2019
`

Notícias relacionadas

“Queremos ser parceiros dos oftalmologistas”

Com a fusão entre os grupos Palex e Taper em agosto de 2017, a Lusopalex, empresa do Grupo Palex em Portugal, assumiu uma estratégia consolidada no mercado nacional, com a incorporação de novas áreas, nomeadamente a oftalmologia. Para o diretor-geral da empresa, José Marcelino Marques, o objetivo agora é assegurar a sustentabilidade da operação.

Ler mais 18 Janeiro 2019
EntrevistasOftalmologia

Sem arte “não me imagino a viver”

Olga Berens retrata a fusão da pintura com a oftalmologia, tendo sido premiada pelo Concurso Internacional de Pintura Miradas 2018 com a sua obra "Smilling Eyes".

Ler mais 13 Dezembro 2018
Entrevistas