“Na saúde tudo são vasos comunicantes”

Imagem da notícia: “Na saúde tudo são vasos comunicantes”

Erica Cardoso, presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Oftalmologia Gama Pinto (IOGP), formado também por Sandra Barrão (diretora clínica), Odete Afonso (enfermeira diretora) e Emílio Fernandes (vogal executivo), falou com a OftalPro sobre alguns dos segredos do sucesso do IOGP.

O IOGP continua a ser o único instituto público dedicado à oftalmologia, sendo o mais escolhido pelos doentes nesta área. Uma história de sucesso?

Erica Cardoso: É curioso, porque com o livre acesso dos doentes a poderem escolher um sítio de referência, a nossa lista de oftalmologia mais do que triplicou. Isso é um sinal da escolha evidente que os doentes têm pelo nosso instituto. Na apresentação que fiz do balanço, usei uma carta de referência antiga, de meados de 1900, que dizia exatamente o número de doentes que tínhamos servido de cada zona do país e nós contamos (com dados de 31 de dezembro do ano passado) com 1.151 doentes dos tais 3.500 da nossa lista de espera, são doentes fora da nossa área de referência direta. Isto quer dizer alguma coisa: 1/3 da nossa lista de espera é alimentada por pessoas que naturalmente não nos escolheriam a nós por uma questão de proximidade, um motivo de grande orgulho e da nossa diferenciação nesta área.

E em relação à lista de espera na cirurgia?

EC: Na saúde tudo são vasos comunicantes. Quando diminuímos a lista de espera na consulta, significa que inevitavelmente referenciamos mais pessoas para a cirurgia e portanto a nossa lista de espera cirúrgica aumentou um pouco, com mais de dois mil doentes em lista de espera. Ainda assim, conseguimos cumprir, dentro das mesmas percentagens, a cerca de 90% do tempo de espera garantida. Iniciámos o ano com mais de 200 dias de tempo médio de espera nas consultas e neste momento é de 99 dias.

Entrevista completa na OftalPro 47.

16 Janeiro 2020
Entrevistas

PUBLICIDADE
Mido 2020
`

Notícias relacionadas

“Escolhi oftalmologia porque me pareceu mais aliciante”

Joaquim Mira, após a conclusão do ensino secundário à noite, enquanto trabalhava durante o dia, iniciou em 1975 o Curso de Medicina na Universidade de Coimbra e em 1986 a especialidade de oftalmologia no Hospital da Universidade de Coimbra. Hoje é uma referência no país no que diz respeito à cirurgia refrativa e da catarata.

Ler mais 31 Março 2020
Entrevistas

Joaquim Mira em entrevista

Joaquim Mira nunca imaginou que seria médico oftalmologista, mas sempre soube que o seu objetivo era ir longe. Hoje é uma referência no país no que diz respeito à cirurgia refrativa e da catarata.

Ler mais 12 Março 2020
Entrevistas