Eutanásia: perspetiva de uma médica oftalmologista

Imagem da notícia: Eutanásia: perspetiva de uma médica oftalmologista

Maria João Quadrado, oftalmologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, fala sobre a eutanásia, num artigo publicado no jornal médico online Raio-X:

“A eutanásia não é uma questão médica e a ciência nada tem a dizer sobre o assunto. É uma questão social e que a todos diz respeito. A filosofia e a ética têm, e muito, a dizer sobre o tema e, infelizmente, no meio do ruído ouvem-se menos do que seria desejável. É a ética que ajuda a estabelecer os princípios que governam a ciência e a prática médica.

Os quatro grandes princípios que governam o que fazemos na ciência e na Medicina são: a autonomia, a beneficência, a não maleficência e a justiça. Do ponto de vista dos valores, poucos terão dificuldade em aceitar que é assim que se deve fazer. Respeitar a vontade e autonomia da pessoa humana (doente ou não); agir para fazer o bem e não o mal e fazê-lo de forma justa.

Na prática, no entanto, as coisas complicam-se. Uma fonte habitual de complicações decorre de conflitos entre estes quatro valores que se equivalem. Quando alguém anuncia a vontade de pôr fim à vida pode haver um conflito para quem tem que ajudar essa pessoa a fazê-lo. O princípio da autodeterminação obrigaria ao respeito pela vontade da pessoa. O princípio da beneficência obrigaria a fazer o bem, o que para muitos equivale sempre à preservação da vida, qualquer que seja a sua qualidade.

A forma de resolver estes conflitos é estreitamente relacionada com a cultura e a sociedade em que se tem a sorte ou o azar de morrer. Em países mais liberais tende a prevalecer o respeito pela autodeterminação e pela vontade dos indivíduos. Em países profundamente religiosos pôr fim à vida é mais do que um mal. É um pecado! Em Portugal vivemos, felizmente, num estado laico e há poucas dúvidas que compete à Assembleia da República decidir e legislar.

Tenho poucas dúvidas de que a legalização da eutanásia é um passo certo na direção do progresso no respeito pela dignidade das pessoas e no respeito pela vida humana e pela vontade das pessoas. Incluo aqui aqueles que, em face de um sofrimento inimaginável, querem pôr fim à sua vida e aqueles que as ajudam a fazê-lo”.

Artigo completo aqui.

19 Fevereiro 2020
Atualidade

PUBLICIDADE
MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Telemedicina continua a “criar ondas” na oftalmologia

A pandemia de Covid-19 está a transformar a forma como a medicina é praticada em todo o mundo. Novas alternativas para o modus operandi da prestação de cuidados de saúde tradicionais têm sido escolhidas durante estes tempos incertos.

Ler mais 22 Setembro 2020
AtualidadeOftalmologia

Covid-19: oftalmologistas precisam de vigiar manifestações oculares

No final de março, foi publicado na JAMA Ophthalmology o primeiro relatório sobre 12 casos de conjuntivite em 38 pacientes hospitalizados com Covid-19 na província de Hubei, na China. Essas descobertas foram cruciais para espalhar o alarme sobre uma possível infeção por SARS-CoV-2 através do olho e a necessidade de proteger os profissionais de saúde visual.

Ler mais 16 Setembro 2020
AtualidadeOftalmologia