Covid-19: quais as precauções a ter na clínica oftalmológica?

Imagem da notícia: Covid-19: quais as precauções a ter na clínica oftalmológica?

O Colégio da Especialidade de Oftalmologia – Ordem dos Médicos e a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) criaram um conjunto de recomendações no âmbito da situação de risco epidemiológico de infeção por Covid-19.

A infeção por coronavírus (Covid-19) transformou-se muito rapidamente numa ameaça global. Os sintomas da doença incluem febre, tosse, cansaço, dores musculares e falta de ar; pode também haver diarreia. A conjuntivite pode ser a primeira manifestação da doença, como aconteceu na China onde Li Wenliang, oftalmologista no Hospital Central de Wuhan Central, foi infetado por transmissão a partir de um doente assintomático portador de glaucoma, tendo morrido um mês depois. Alguns relatos sugerem que na ausência de proteção ocular o vírus pode ser transmitido por contacto na forma de aerossol, através da conjuntiva, provocando doença. As complicações da doença incluem pneumonia grave , arritmia e choque; a taxa de mortalidade estimada é de 3,4%, mas até ao momento cerca de 40% dos doentes afectados não tem a sua clínica resolvida.

A história recente da doença tem mostrado a sua fácil e rápida disseminação; a partir de um foco em Wuhan, a sua disseminação deu-se de forma muito rápida, estando hoje presente em todos os continentes. Na europa o número de pessoas infetadas teve um crescimento vertiginoso em poucas semanas. Em Itália, depois do encerramento de escolas e outros serviços, as autoridades viram-se agora obrigadas a limitar a circulação de pessoas, na tentativa de circunscrever a disseminação da doença. Tal tinha acontecido na China com aparentes bons resultados, como demonstra a evolução epidemiológica actual. O caso mais paradigmático de medidas eficazes na circunscrição da doença aconteceu em Macau, onde as autoridades decretaram limitações ao movimento das pessoas e o encerramento generalizado de serviços ao aparecimento dos primeiros casos; o resultado foi o sucesso que se conhece: nenhum novo caso desde há várias semanas! Uma decisão que envolveu certamente grande coragem política e cujos aparentes prejuízos económicos imediatos tiveram e vão ter grande retorno não apenas económico, mas sobretudo social.

A proximidade física e espacial entre o oftalmologista e a pessoa observada coloca ambos, doente e médico, em especial risco de contacto. Por outro lado, o exame oftalmológico envolve múltiplas observações que incluem acuidade visual, avaliação do equilíbrio oculo-motor, observação do segmento anterior, medição da tensão ocular e observação do fundo ocular. O exame à lâmpada de fenda e a realização de oftalmoscopia direta implicam uma proximidade física e um posicionamento, que envolve um risco particular de contágio. A frequente necessidade de dilatação pupilar e da realização de outros exames complementares, implicam frequentemente uma estadia demorada nos serviços e nas clínicas de oftalmologia, aumentando o risco de contágio cruzado entre doentes e os profissionais de saúde visual.

Por essa razão, a Academia Americana de Oftalmologia lançou um alerta para a necessidade do uso de máscaras e proteção ocular, sobretudo na presença de doentes com sintomas respiratórios ou perante a história de viagem a locais de risco aumentado. Para além disso, sabendo que o período de incubação do vírus se situa entre os dois e os 14 dias (embora ao que parece possa ser mais longo), e sabendo da possibilidade, mesmo que incomum, da conjuntivite ser a primeira manifestação, os oftalmologistas devem estar atentos na observação de casos aparentemente vulgares.

Tendo em conta o alto risco de contágio na clínica oftalmológica e tendo em conta a baixa taxa de doentes com necessidade urgente de cuidados, pareceu importante ao Colégio da Especialidade de Oftalmologia e à SPO adotarem medidas urgentes tendentes a diminuir o risco de propagação da infeção. Por essa razão, usando o conhecimento adquirido e as recomendações dos grupos de trabalho que já passaram pelo atual cenário epidemiológico, são recomendadas as medidas expostas neste link.

27 Março 2020
Oftalmologia

`

Notícias relacionadas

UOC realiza intervenção inovadora em doentes com cataratas

Uma equipa de cirurgiões da UOC – Unidade de Oftalmologia de Coimbra tem alcançado resultados muito promissores com a aplicação de uma nova lente intraocular para a correção da presbiopia em doentes com cataratas ou com cristalino transparente, desde que reúnam as condições técnicas necessárias.

Ler mais 29 Julho 2020
Oftalmologia

Intervenção da OM trava fecho da urgência noturna de oftalmologia em Lisboa

A Ordem dos Médicos (OM) e o Colégio de Oftalmologia da Ordem dos Médicos denunciaram publicamente que a região de Lisboa iria ficar sem urgência noturna de oftalmologia no período entre as 20h e as 8h, que funcionava até agora no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) e/ou no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC).

Ler mais 27 Julho 2020
AtualidadeOftalmologia