Joaquim Murta coordena projeto nacional CAT.PT

Imagem da notícia: Joaquim Murta coordena projeto nacional CAT.PT

A catarata é uma patologia inevitável com a idade que afeta de forma muito negativa a qualidade de vidas das pessoas; a sua cirurgia é a mais realizada em todo o mundo e é das que mais impacto tem numa perspetiva custo-benefício. Será possível aliar uma estratégia de racionalização de custos com a promoção da qualidade dos cuidados prestados, incluindo sempre a perspetiva do doente?

Foi para dar resposta a essa questão que surgiu o CAT.PT, um projeto nacional coordenado pelo médico oftalmologista Joaquim Murta, do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, e no qual colaboram 12 instituições de saúde. Utilizando a plataforma da Promptlyestes hospitais monitorizam os resultados de saúde dos doentes e fazem benchmarking dos resultados, procurando melhorar os cuidados de saúde prestados.

A análise incorporou mais de 11 mil doentes. Os pacientes preencheram questionários antes e após a cirurgia, para avaliar o grau de incapacidade na vida diária relacionados com a visão, pela voz do próprio paciente. Dos 11 mil, 89% reportaram uma melhoria significativa nas tarefas da vida quotidiana após a cirurgia. Em 85% dos casos, os doentes tinham uma acuidade visual antes da cirurgia inferior ao mínimo ideal para poderem conduzir (5/10). Após a cirurgia, 94% registaram uma capacidade igual ou superior a este patamar e 78% atingiram uma acuidade visual “normal” (10/10).

Nas palavras de Joaquim Murta, diretor do Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, “os sistemas de saúde baseados no volume estão desajustados e o futuro exige uma mudança de estratégia e atitude. Um modelo orientado para os resultados será aquele que, não só melhora a qualidade da saúde dos cidadãos, como também o tende a fazer com um menor investimento, assegurando a eficiência. O objetivo das instituições deve ser direcionado na avaliação e diferenciação dos ‘resultados’, com informação contínua aos clínicos e população em geral, permitindo aos doentes fazerem escolhas informadas”.

Participaram neste projeto o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar do Porto, o Hospital de Braga, o Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra, o Centro Hospitalar de Lisboa Norte, o Instituto Gama Pinto, cinco unidades do Grupo CUF, a Unidade de Oftalmologia de Coimbra – UOC, junto com cinco empresas: Novartis, Alcon, Bayer, Edol e a portuguesa tecnológica Promptly.

2 Março 2021
Oftalmologia

PUBLICIDADE
|MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Webinar: “Medicina orofacial e oftalmologia”

É já amanhã (15 de abril) que decorre o XI Webinar gratuito, de Medicina orofacial e oftalmologia, um evento que conta com o apoio da Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar (APMDH) e do Núcleo de Formação e Investigação em Cirurgia, Implantologia e Reabilitação Oral.

Ler mais 14 Abril 2021
AtualidadeEventos e FormaçãoOftalmologia

Estudo: Smartphones podem ajudar a prevenir o glaucoma

Um novo estudo da Universidade de Birmingham revela que os smartphones podem ser usados ​​para ‘scanear’/digitalizar os olhos das pessoas na procura de sinais precoces de glaucoma, ajudando a prevenir doenças oculares graves e cegueira.

Ler mais 13 Abril 2021
AtualidadeOftalmologia