SPO recomenda a não utilização de biosimilares não testados na prática clínica

Imagem da notícia: SPO recomenda a não utilização de biosimilares não testados na prática clínica

Através de um comunicado, publicado no dia 27 de setembro, no seu site, a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) recomenda a não utilização de biosimilares não testados na prática clínica em oftalmologia.

No comunicado pode ler: “A introdução na prática clínica dos medicamentos com ação anti-VEGF foi uma das maiores revoluções na Oftalmologia a nível mundial. São medicamentos que são injetados no vítreo e permitiram diminuir significativamente a taxa de cegueira e de perda grave de visão a nível mundial na última década. São aplicados no tratamento de várias doenças, nomeadamente na retinopatia diabética, na degenerescência macular da idade, nas oclusões venosas, ou na neovascularização associada à miopia. Em Portugal estão a ser utilizados o Ranibizumab, o Aflibercept, o Brolucizumab, e o Bevacizumab (off-label).  Todos estes medicamentos foram testados em ensaios clínicos multicêntricos internacionais e mostraram segurança e eficácia.

Tendo tomado conhecimento que está a ser ponderada a utilização de biosimilares do Bevacizumab sem que tenham sido testados previamente para avaliação da sua eficácia e segurança para tratamento intraocular, a SPO manifesta sua grande preocupação com a segurança dos doentes e RECOMENDA A NÃO UTILIZAÇÃO DE BIOSIMILARES NÃO TESTADOS NA PRÁTICA CLÍNICA EM OFTALMOLOGIA”.

30 Setembro 2021
AtualidadeOftalmologia

PUBLICIDADE
https://www.oftalpro.pt/wp-content/uploads/2022/11/BANNER-MIDO_OPTICA-E-OFTAL.gif
`

Notícias relacionadas

Oftalmologia marca presença na MIDO 2023

A conferência "Oftalmologia, óptica e optometria: as novas tecnologias e o futuro", será um dos motivos a ter em conta na edição deste ano da exposição internacional MIDO, que se realiza de 4 a 6 de fevereiro, em Milão, Itália.

Ler mais 23 Janeiro 2023
Atualidade

Qual o Futuro da Tecnologia nos Cuidados de Saúde?

A tecnologia e inovação estão de mãos dadas e vão acelerar durante o resto da década à medida que as empresas, os governos e os indivíduos se adaptarem às novas realidades, como a deslocalização, descarbonização, demografia e tensões geopolíticas.

Ler mais 20 Janeiro 2023
Atualidade