6 anos – um marco na refração?

Imagem da notícia: 6 anos – um marco na refração?

Em 2015, a Organização Mundial de Saúde (OMS) colocou a miopia na agenda mundial de saúde.1 Uma das principais preocupações é a carga futura para o paciente, bem como os custos económicos das patologias relacionadas com a miopia, tais como a maculopatia miópica degenerativa.

Do ponto de vista epidemiológico, a prevalência da miopia tem vindo a crescer rapidamente em todo o mundo, e para os pacientes no final da adolescência, mais de 90% na Ásia Oriental e 31% na Austrália têm miopia.1

Embora a predominância da miopia nas crianças caucasianas do Reino Unido seja inferior à dos países da Ásia Oriental, onde a maioria das crianças que abandonam a escola são míopes, quase um em cada cinco adolescentes no Reino Unido é míope e prevê-se que este número venha a aumentar.2

Dado que a idade de aparecimento da miopia ocorre tipicamente entre os 6 e 14 anos de idade, este artigo propõe a realização de um exame ocular completo aos 6 anos de idade, é a melhor oportunidade para avaliar o risco individual de desenvolver uma miopia futura – antes do início da miopia.

Antecedentes

É senso comum que uma criança com uma visão deficitária não diagnosticada (e corrigível) deve ser identificada, para que não comprometa o seu desempenho escolar ou sofra efeitos prejudiciais no seu desenvolvimento social com consequências potencialmente duradouras na idade adulta, como a redução das suas oportunidades de carreira.3 Embora um rastreio visual possa ser oferecido a algumas crianças em idade pré-escolar, mesmo entre as que são examinadas, o grau refrativo não é normalmente incluído nas avaliações de rastreio.4

Leia este artigo técnico desenvolvido por Sarah Morgan* na revista OftalPro 54.

*Sarah L. Morgan BSc (Hons), MCOptom, MPhil, FAAO, FBCLA

1.Holden, BA et al. 2015. Nearly 1 billion myopes at risk of myopia-related sight-threatening conditions by 2050 – time to act now.  Clin Exp Optom. 2015 Nov;98(6):491-3. doi: 10.1111/cxo.12339.

2.McCullough, Sara J., Lisa O’Donoghue, and Kathryn J. Saunders. 2016. “Six Year Refractive Change among White Children and Young Adults: Evidence for Significant Increase in Myopia among White UK Children.” PloS One 11 (1): e0146332.

3.Hannum, Emily and Yuping Zhang. 2008. “Poverty and Proximate Barriers to Learning: Vision Deficiencies, Vision Correction and Educational Outcomes in Rural Northwest China.” PARC Working Paper Series, WPS 08-05.

4.https://www.gov.uk/government/publications/child-vision-screening/service-specification (accessed April 30, 2020)

26 Janeiro 2022
AtualidadeOftalmologiaOpinião

`

Notícias relacionadas

Pedro Menéres apresenta candidatura à SPO

Com a experiência de dois mandatos na direção da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) (biénio 2015/2016 e 2021/2022), e exercício anterior como membro do Board de duas sociedades internacionais (ESA e ESCRS), Pedro Menéres apresenta agora a sua candidatura à presidência da SPO para o biénio que se inicia em janeiro de 2025.

Ler mais 16 Julho 2024
Atualidade

AbbVie apoia SEMEAR e doa 100 cabazes à Academia Johnson

A AbbVie realizou, em junho, mais um "Week of Possibilities", o seu programa global de responsabilidade social que consiste em contribuir para as comunidades locais através do voluntariado. Nesta edição, a biofarmacêutica colaborou com o projeto SEMEAR para a doação de 100 cabazes à Academia Johnson.

Ler mais 15 Julho 2024
Atualidade