Europeus têm dúvidas sobre cirurgia assistida por robô

Imagem da notícia: Europeus têm dúvidas sobre cirurgia assistida por robô

Uma equipa de investigadores da Universitat Oberta de Catalunya (UOC) analisou os fatores que influenciam a perceção das pessoas sobre o uso da robótica na cirurgia. A experiência anterior com o uso de robôs e a perceção da facilidade de utilização são os fatores que fomentam a confiança nestas técnicas e dispositivos. A utilização da robótica na medicina reduz os riscos e erros, diminui os tempos de recuperação e diminui os custos financeiros.

A implementação da robótica em vários aspetos da vida está a tornar-se cada vez mais generalizada, mas conduz, no entanto, a opiniões contraditórias. Os fatores e argumentos positivos baseados na inovação, eficiência, precisão e redução de custos ainda não conseguiram quebrar conotações negativas e aspetos como a destruição de empregos, o investimento necessário, dificuldades na implementação e a formação necessária para a sua utilização. Estas controvérsias são acrescidas no domínio da saúde, o que é um reflexo desta tendência social de opiniões contraditórias.

Uma equipa de investigadores da Universitat Oberta de Catalunya (UOC) analisou as principais motivações das pessoas e a sua confiança nestes dispositivos para conhecer as perceções dos cidadãos europeus sobre o uso da robótica na cirurgia. “O nosso objetivo é fornecer novas provas do ponto de vista social, dos pacientes e dos cidadãos, uma vez que a dada altura poderia ser-lhes pedido que se submetessem a cirurgia envolvendo o uso de robôs”, explicou o professora Joan Torrent Sellens, da Faculdade de Economia e Negócios da UOC, investigador principal do grupo i2TIC da Universidade e coautor deste estudo, juntamente com as professoras da UOC Ana Jiménez Zarco e Francesc Saigí Rubió.

Após análise das opiniões de cerca de 28.000 cidadãos de 28 países da União Europeia, os resultados deste estudo apresentam um amplo espectro de atitudes decorrentes da falta de confiança na cirurgia assistida por robôs (CAR). A experiência anterior com a utilização de robôs e a perceção da facilidade de utilização são os únicos fatores que fomentam a confiança nestas técnicas e dispositivos. “Verificámos também que, à medida que as pessoas adquirem experiência com a utilização de robôs, os antecedentes de confiança relacionados com a informação, atitude e perceção da cirurgia assistida por robôs tornam-se cada vez mais negativos”, refere Torrent Sellens.

A análise dos dados mostra que os argumentos por detrás das motivações que criam desconfiança nestes dispositivos não são uniformes. A experiência também desempenha um papel crucial.

“A nossa investigação mostra que os cidadãos têm em conta questões racionais nas suas avaliações de confiança, tais como a sua experiência anterior com a utilização de robôs e a sua perceção de facilidade de utilização”, afirmou o investigador. Por exemplo, a experiência tem um efeito maior na confiança na CAR entre homens, pessoas entre os 40 e 54 anos de idade, e aqueles com um nível de educação superior.

Do mesmo modo, aspetos como a informação geral sobre robótica e o estado geral da opinião pública sobre os seus efeitos no local de trabalho, que são normalmente negativos, são fatores de avaliação mais emocionais que também influenciam esta perceção da robótica na cirurgia.

Além disso, muitos cidadãos europeus têm-se mostrado relutantes em utilizar a cirurgia assistida por robôs uma vez que, na sua opinião, isso significa que tanto os profissionais de saúde como as instituições que adotam estas novas tecnologias devem possuir novas competências e formação. Esta situação tem levado a algumas dúvidas na sociedade.

“A questão principal é trabalhar sobre as motivações por detrás desta confiança, de modo que as avaliações positivas e os efeitos já identificados pelos profissionais de saúde sejam transmitidos ao público. A opinião do paciente é vital em todas as mudanças profundas que ocorrem em resultado da emergência da eHealth e da telemedicina nas práticas de saúde”, explicou o investigador da UOC.

Artigo completo na Oftalpro 56.

12 Maio 2022
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Boa Páscoa!

A equipa da OftalPro deseja-lhe um uma Páscoa feliz e muito docinha. Que este seja um momento de união e celebração

Ler mais 29 Março 2024
Atualidade

Hoje é o dia da Daniela

Em dia aniversário, resolvemos desafiar a Daniela, jornalista na OftalPro, a mostrar um pouco mais de si. E aproveitamos para lhe desejar um dia maravilhoso!

Ler mais 26 Março 2024
Atualidade