Oftalmologia em pacientes com deficiência

Imagem da notícia: Oftalmologia em pacientes com deficiência

Introdução

“A possibilidade de uma visita ambulatória ou mesmo de hospitalização está sempre presente na história de uma pessoa com uma deficiência, mas as unidades de cuidados intensivos não estão normalmente equipadas para receber este tipo de pacientes, por razões culturais, organizacionais e logísticas: a orientação dos serviços de saúde tende a ser para pessoas que não têm deficiências e com demasiada frequência, precisamente devido à sua deficiência, as famílias desistem do tratamento. 

A mudança que propusemos para um acolhimento adequado das pessoas com deficiência afeta todos os aspetos da sua presença em regime ambulatório ou de internamento e tem em conta a necessidade, especialmente para as deficiências cognitivas, de reservar espaços dedicados para elas e de manter o contacto com o prestador de cuidados, uma pessoa que é ainda mais importante quando é uma figura que partilha tempo, espaço e condições emocionais com o paciente em casa. 

É, portanto, necessário salvaguardar a continuidade desta relação durante a “vida hospitalar”, à qual eles não podem e não devem renunciar.

Tratar doenças para aqueles que também têm uma deficiência, tanto mental como física, significa lidar com o tratamento e diagnóstico de doenças que afetam todos os seres humanos, mas muitas vezes com organizações e instrumentos que não estão adaptados às suas necessidades específicas”.

Pode ler o artigo completo na revista OftalPro 58.

26 Outubro 2022
Oftalmologia

`

Notícias relacionadas

Olhos vermelhos e bandeiras vermelhas

Olhos vermelhos e bandeiras vermelhas: A importância do exame oftalmológico no diagnóstico e orientação - artigo da autoria de J. Salgado-Borges. MD, PhD, FEBO - Diretor Clínico da Clinsborges, Embaixador em Portugal do TFOS (Tear Film & Ocular Surface Society) e Membro da EUDES (European Dry Eye Society).

Ler mais 3 Abril 2024
Oftalmologia