BIAL lidera investimento em I&D em Portugal

Imagem da notícia: BIAL lidera investimento em I&D em Portugal

A BIAL foi a empresa com mais despesa em Investigação e Desenvolvimento (I&D) em Portugal, em 2021, num montante superior a 81,6 milhões de euros, tendo subido duas posições face ao ano anterior, de acordo com os resultados definitivos do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional (IPCTN21), publicados pela Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC). Pela primeira vez, o ranking de despesa em I&D em Portugal é liderado por um grupo do setor da indústria farmacêutica.

Ao longo dos últimos anos, a BIAL tem estado entre as empresas que mais investem em I&D em Portugal. Em média, a companhia tem dedicado 20% da faturação a atividades de I&D, colocando, desta forma, a ciência ao serviço da saúde e da melhoria da qualidade de vida das pessoas em todo o mundo.

O projeto de I&D na BIAL começou há 30 anos, pelo que esta área se assume como estratégica para o grupo, sendo o foco da BIAL a descoberta e o desenvolvimento de medicamentos inovadores. O primeiro medicamento inovador da empresa, um antiepilético, chegou ao mercado em 2009, e, em 2016, foi lançado um segundo fármaco para a Doença de Parkinson. Estes são os únicos medicamentos de patente portuguesa, constituem hoje marcas globais e foram potenciadoras da transformação da empresa, possibilitando que a BIAL, diretamente ou através de acordos de licenciamento, esteja presente nos mercados mais competitivos a nível mundial.

“A nossa posição espelha a decisão que tomámos, há mais de 30 anos, na aposta em I&D de medicamentos inovadores. A I&D faz parte do código genético da BIAL, pelo que é sempre com grande satisfação que, de forma continuada ao longo dos anos, vemos reconhecida a nossa liderança nesta área e agora atingimos o topo. A BIAL continuará com uma aposta forte no seu programa de inovação. Queremos continuar a produzir valor, a inovar para as pessoas, para os pacientes e, desta forma, a dar um forte contributo para o crescimento económico de Portugal”, garante António Portela, CEO da BIAL.

Para António Portela “é crítico trabalhar num contexto de longo prazo, que seja promotor da inovação e das empresas que apostam na investigação, promovendo desta forma a capacidade do país de gerar inovação”, pois estas empresas “são um contribuinte muito importante para o crescimento económico de Portugal, aportando valor e diferenciação através dos seus produtos e serviços, contribuindo para a exportação de bens de valor acrescentado e promovendo o emprego qualificado, potenciando, assim, a capacidade científica das nossas universidades e centros de investigação”.

De acordo com os dados da DGEEC, a despesa em I&D do setor empresas atingiu os 2154 milhões de euros, representando 1% do Produto Interno Bruto e as 100 empresas que mais investiram em I&D correspondem a 6% do número total de empresas que declararam atividades de I&D no IPCTN21, contudo, foram responsáveis por mais de metade da despesa em I&D (53%) e por 37% do pessoal em I&D deste setor.

Imagem: BIAL

3 Abril 2023
Estudos e Investigação

`

Notícias relacionadas

Os desafios dos CEO’s para 2024

A consultora americana McKinsey & Company consolidou as opiniões que surgiram das conversas com centenas de CEO’s e agregaram um conjunto de dados sobre como as empresas podem fazer melhor para a sociedade, as comunidades e os funcionários.

Ler mais 1 Março 2024
Estudos e Investigação