O clínico ou a IA, quem vai diagnosticar?

Imagem da notícia: O clínico ou a IA, quem vai diagnosticar?

Para apoiar a conclusão de que o software de suporte clínico baseado em tecnologia substituirá apenas os médicos de hoje, Maria A Woodward descreveu as deficiências atuais dos médicos em oferecer um atendimento de qualidade e introduziu oportunidades por meio da Inteligência Artificial (IA).

Citando um estudo realizado pelo seu grupo, Maria A Woodward afirma que quase 50% dos médicos não tinham confiança na sua capacidade de diferenciar tipos de organismos ao diagnosticar ceratite microbiana. “Em contraste, algoritmos baseados em IA podem distinguir entre categorias de organismos e só vão melhorar na próxima década”.

Da mesma forma, ela questionou se os médicos efetivamente diagnosticam e gerenciam a ceratocone e sugeriram vantagens para estratégias baseadas em IA.

“Sabemos com que frequência os pacientes que estão em risco de progressão devem receber crosslinking e devem seguir para o transplante? Agora, há muitas evidências de que os algoritmos de IA podem ajudar a distinguir entre os subtipos de ceratocone e nos ajudar a prever quais pacientes devem receber crosslinking ou transplante”.

O artigo na íntegra está disponível na revista Eurotimes da ESCRS.

12 Maio 2023
Estudos e Investigação

`

Notícias relacionadas

Os desafios dos CEO’s para 2024

A consultora americana McKinsey & Company consolidou as opiniões que surgiram das conversas com centenas de CEO’s e agregaram um conjunto de dados sobre como as empresas podem fazer melhor para a sociedade, as comunidades e os funcionários.

Ler mais 1 Março 2024
Estudos e Investigação