Olhos vermelhos e bandeiras vermelhas

Imagem da notícia: Olhos vermelhos e bandeiras vermelhas

Olhos vermelhos e bandeiras vermelhas: A importância do exame oftalmológico no diagnóstico e orientação – artigo da autoria de J. Salgado-Borges. MD, PhD, FEBO – Diretor Clínico da Clinsborges, Embaixador em Portugal do TFOS (Tear Film & Ocular Surface Society) e Membro da EUDES (European Dry Eye Society).

A hiperemia conjuntival surge como consequência da vasodilatação da vascularização conjuntival local. Nos casos em que a causa é incerta ou é facilmente identificável, como exposição contínua ao fumo, fatores ambientais adversos ou uso prolongado de lentes de contacto, os medicamentos destinados ao branqueamento da conjuntiva podem ser uma solução para alguns doentes, sem, no entanto, se esquecer de que deve haver sempre supervisão por um oftalmologista. Até recentemente, tínhamos disponíveis apenas produtos que atuavam sobre recetores alfa-1 adrenérgicos, localizados nas arteríolas conjuntivais. No entanto, essas drogas/fármacos, além de terem um efeito alfa-1 seletivo, que atua preferencialmente sobre as arteríolas conjuntivais produzindo a sua constrição, mostraram uma associação com taquifilaxia e efeito rebound após a sua descontinuação (adaptado da referência 1) (Fig.1). Por outro lado, foram recentemente retirados do mercado em Portugal.  

Figura 1. Arteríolas e Vénulas a nível conjuntival após ministração de agonistas
seletivos para os recetores adrenérgicos alfa 1 (taquifilaxia e efeito rebound)

Como alternativa, desde o final de 2023, existe em Portugal um medicamento aprovado chamado “Lumobry”, de prescrição médica obrigatória, colírio em solução base de tartarato de brimonidina 0,025%, agonista alfa-2, indicado para o tratamento da hiperemia conjuntival isolada devido a irritação ocular leve em adultos.  No entanto, esta substância, além de ter um efeito alfa-2 seletivo, atua preferencialmente sobre as vénulas conjuntivais produzindo a sua constrição. Nos estudos realizados até agora, o efeito é quase imediato (+/- 3 minutos) e mantém uma duração de cerca de 8 horas; não mostrou também associação com taquifilaxia ou um qualquer efeito rebound (adaptado da referência 1) (Fig.2).  

Figura 2. Arteríolas e Vénulas a nível conjuntival após ministração de agonistas seletivos
para os recetores adrenérgicos alfa 2 (ausência de taquifilaxia e efeito rebound)

Leia o artigo completo na OftalPro 64.

3 Abril 2024
Oftalmologia

`

Notícias relacionadas

“Oftalmologia Pediátrica para todos” em debate

“Oftalmologia Pediátrica para todos: Refração na Criança” é o tema do próximo webinar das Quartas da SPO, que irá decorrer a 28 de fevereiro, pelas 21h30. O tema é proposto pelo Grupo Português de Estrabismo e Oftalmologia Pediátrica.

Ler mais 9 Fevereiro 2024
Oftalmologia