Crianças e exposição a ecrãs – as consequências

Imagem da notícia: Crianças e exposição a ecrãs – as consequências

A Academia Americana de Pediatria divulgou em outubro de 2016 um estudo que incluiu 894 crianças entre os seis meses e os dois anos e que foi feito entre 2011 e 2015.

Numa altura em que no mundo inteiro proliferam os smartphones, tablets e jogos eletrónicos com ecrãs sensíveis ao tato, há crianças que começam a usar esses dispositivos antes de falar, mas a investigação sugere que essas crianças correm um alto risco de atraso de desenvolvimento da linguagem. Aos 18 meses, refere o estudo, 20% das crianças usavam dispositivos de ecrã tátil em média 28 minutos por dia, segundo os pais.

Com base numa ferramenta para analisar atrasos na linguagem, os investigadores concluíram que quanto mais tempo a criança usa o écrã tátil mais provável é que venha a desenvolver um atraso. Por cada aumento de 30 minutos à frente de um desses aparelhos de écrã tátil o risco de atraso de desenvolvimento da linguagem aumenta em 49%, alertam.

Saiba mais aqui.

23 Junho 2017
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, que inclui uma categoria para alunos cegos e amblíopes, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação.

Ler mais 24 Novembro 2020
Atualidade

Investigadores testam IA no diagnóstico da Covid-19

Uma equipa de investigadores, constituída por portugueses e brasileiros, vai testar a utilização de inteligência artificial (IA) no diagnóstico da Covid-19, analisando ultrassonografias ao tórax com recurso a técnicas de visão por computador.

Ler mais 20 Novembro 2020
Atualidade