Acesso generalizado a anti-retrovirais contra o HIV aumenta esperança de vida

Imagem da notícia: Acesso generalizado a anti-retrovirais contra o HIV aumenta esperança de vida

“Trata-se de um dos ganhos de esperança de vida mais rápidos jamais observados na história da saúde pública”, diz em comunicado Till Bärnighausen, da Universidade de Harvard (EUA), que dirigiu o estudo publicado na revista Science.

A investigação em causa analisou a relação “custos-benefícios” de uma iniciativa levada a cabo em 2004 na província de KwaZulu-Natal, na África do Sul, em que todas as pessoas infetadas com o vírus da sida começaram a usufruir gratuitamente de uma terapia anti-retroviral. O resultado foi o aumento da esperança média de vida da população.

O tratamento anti-retroviral representa um custo de 500 a 900 dólares (570 a 670 euros) por ano e por pessoa. Mas Jcob Bor (co-autor também de Harvard) e os seus colegas mostraram, igualmente, que os benefícios do tratamento ultrapassam largamente os custos médicos – que, no caso sul-africano, totalizaram o equivalente a cerca de oito milhões de euros ao longo dos oito anos que durou o estudo propriamente dito.

Já se tentou calcular os efeitos e os custos de programas de administração de anti-retrovirais a populações inteiras. Mas consistiam em extrapolar resultados obtidos com pequenos grupos de pessoas tratadas nos hospitais.

Este novo estudo permitiu é pioneiro pois pois permite determinar diretamente, para além do aumento efetivo da esperança de vida adulta, a efetiva relação custo-benefício desta estratégia terapêutica.

Contas feitas: salvar um ano de vida custa pouco mais de mil euros, o que corresponde “a menos de um quarto do PIB per capita da África do Sul em 2011”, afirma Bor.

 

7 Março 2013
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações da BIAL

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta terça-feira (25) o colaborador mais antigo da maior farmacêutica portuguesa. A distinção foi entregue no âmbito das comemorações dos 100 anos do laboratório, no dia em que se realiza a conferência BIAL 100 Years – Shaping the future, na Fundação Serralves (Porto).

Ler mais 25 Junho 2024
Atualidade

Consumo de drogas poderá causar deficiência visual

Gerardo Gleason, especialista mexicano em tecnologia para cirurgias oftalmológicas, alertou que “o consumo de substâncias psicoativas, naturais ou sintéticas, que atuam no sistema nervoso gerando alterações nas funções que regulam pensamentos, emoções e comportamento, aumentam as hipóteses de deficiência visual ou cegueira”, revela a Lusa.

Ler mais 21 Junho 2024
Atualidade