“Olhos de cachorrinho” são resultado da evolução da espécie

Imagem da notícia: “Olhos de cachorrinho” são resultado da evolução da espécie

Um estudo publicado na revista Procedimentos da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América concluiu que a capacidade dos cães fazerem expressões faciais apelativas ao ser humano é um resultado da evolução da espécie.

De acordo com artigo publicado na revista Visão, cientistas japoneses conseguiram provar em 2015 que a troca de olhares entre os cães e os donos estimulam, em ambos, a produção de oxitocina, a chamada “hormona do amor”. No entanto, agora sabe-se que isso deve-se ao músculo extra, desenvolvido pela espécie, perto dos olhos, que possibilita, através das suas sobrancelhas, que tenham expressões faciais semelhantes às humanas e assim apelem às nossas emoções.

Este músculo faz com que os olhos “pareçam maiores, mais infantis e também se assemelhem ao movimento que os humanos produzem quando estão tristes”, por isso, “quando os cães fazem o movimento, isso parece suscitar um forte desejo nos humanos para cuidar deles”, lê-se no relatório do estudo. Para além disso, o músculo “também pode desempenhar um papel durante as interações comunicativas entre cães e humanos”. Os humanos tendem a prestar atenção às áreas faciais superiores enquanto comunicam com os outros, e os cães podem estar a responder a essa dinâmica de interação.

Saiba mais aqui.

24 Julho 2019
Atualidade

PUBLICIDADE
MIDO 2022
`

Notícias relacionadas

OM cria Censo Oftalmologia

O “Estudo Demográfico da População de Oftalmologistas Portugueses” do Colégio de Oftalmologia da Ordem dos Médicos, tem como objetivo “conhecer a realidade dos recursos humanos nacionais” nesta área da medicina. O documento vai ser divulgado no próximo congresso de Oftalmologia, entre 9 e 11 de dezembro, de 2021.

Ler mais 3 Dezembro 2021
AtualidadeEventos e FormaçãoOftalmologia