“Olhos de cachorrinho” são resultado da evolução da espécie

Imagem da notícia: “Olhos de cachorrinho” são resultado da evolução da espécie

Um estudo publicado na revista Procedimentos da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América concluiu que a capacidade dos cães fazerem expressões faciais apelativas ao ser humano é um resultado da evolução da espécie.

De acordo com artigo publicado na revista Visão, cientistas japoneses conseguiram provar em 2015 que a troca de olhares entre os cães e os donos estimulam, em ambos, a produção de oxitocina, a chamada “hormona do amor”. No entanto, agora sabe-se que isso deve-se ao músculo extra, desenvolvido pela espécie, perto dos olhos, que possibilita, através das suas sobrancelhas, que tenham expressões faciais semelhantes às humanas e assim apelem às nossas emoções.

Este músculo faz com que os olhos “pareçam maiores, mais infantis e também se assemelhem ao movimento que os humanos produzem quando estão tristes”, por isso, “quando os cães fazem o movimento, isso parece suscitar um forte desejo nos humanos para cuidar deles”, lê-se no relatório do estudo. Para além disso, o músculo “também pode desempenhar um papel durante as interações comunicativas entre cães e humanos”. Os humanos tendem a prestar atenção às áreas faciais superiores enquanto comunicam com os outros, e os cães podem estar a responder a essa dinâmica de interação.

Saiba mais aqui.

24 Julho 2019
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Novo confinamento: oftalmologistas podem abrir portas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, mas com novas exceções. É o caso da oftalmologia.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeOftalmologia

Mais literacia em saúde com o projeto “A Saúde no Saber”

A Ciência Viva - Agência Nacional de Cultura Científica e Tecnológica, no âmbito do concurso “Comunicar Saúde”, que visa promover a literacia em saúde em Portugal, atribuiu 20 mil euros ao projeto “A Saúde no Saber”, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC).

Ler mais 13 Janeiro 2021
Atualidade