Crosslinking: Tratamento deve ser prioritário

Investigadores do Royal College of Ophthalmologists (Reino Unido) apresentaram, na última semana, os resultados de um estudo de impacto do atraso nos tratamentos de queratocone por crosslinking provocados pelo COVID-19.

De acordo com o grupo de investigadores, o atraso no tratamento destes pacientes levou à progressão do problema e a uma perda relevante da função visual.

O estudo, que avaliou o impacto em pacientes com queratocone em progressão, contou com a participação de 46 doentes que viram os seus tratamentos adiados devido à pandemia.

Em média, o atraso foi de cerca de três meses. Nesse curto período os pacientes pioraram significativamente os índices queratométricos e perderam quase uma linha de acuidade visual.

Ainda de acordo com o estudo, 70% teve aumento dos critérios de progressão, sendo que 39% sofreu um aumento de queratometria acima de 1.5 dioptrias.

Em conclusão, os investigadores recomendam que o tratamento por crosslinking seja considerado uma intervenção prioritária.

28 Abril 2021
AtualidadeOftalmologia

`

Notícias relacionadas

Pedro Menéres apresenta candidatura à SPO

Com a experiência de dois mandatos na direção da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) (biénio 2015/2016 e 2021/2022), e exercício anterior como membro do Board de duas sociedades internacionais (ESA e ESCRS), Pedro Menéres apresenta agora a sua candidatura à presidência da SPO para o biénio que se inicia em janeiro de 2025.

Ler mais 16 Julho 2024
Atualidade

AbbVie apoia SEMEAR e doa 100 cabazes à Academia Johnson

A AbbVie realizou, em junho, mais um "Week of Possibilities", o seu programa global de responsabilidade social que consiste em contribuir para as comunidades locais através do voluntariado. Nesta edição, a biofarmacêutica colaborou com o projeto SEMEAR para a doação de 100 cabazes à Academia Johnson.

Ler mais 15 Julho 2024
Atualidade