“Ainda hoje continuo seduzido pela oftalmologia”

Imagem da notícia: “Ainda hoje continuo seduzido pela oftalmologia”

OftalPro: Porquê a sua “entrega” à Oftalmologia?

António Castanheira-Dinis: Considero que a Oftalmologia preenche e contém os ingredientes que me agradam e que me satisfazem. Falo de uma componente médica, de uma componente microcirúrgica “limpa”, de uma componente de investigação e de ensino e, também, de uma componente de gestão que me surpreendeu. Foi bem cedo, ainda no quinto ano do curso de Medicina, que a Oftalmologia me fascinou e que a escolhi como especialidade. Nunca ambicionei mais do que vir a ser um oftalmologista, tudo o resto aconteceu naturalmente, por convites e circunstâncias que acolhi com prazer e dedicação. Ainda hoje continuo seduzido pela Oftalmologia e pelas suas constantes novidades e descobertas.

OF: A que subespecialidade se dedica de modo mais ativo?

ACD: Apesar de me considerar um “clínico geral” da Oftalmologia, o meu último interesse recaiu sobre a cirurgia refrativa. Percorri diversas áreas da Oftalmologia, como a eletrofisiologia, que foi o meu tema de tese de doutoramento, depois dediquei-me à neuroftalmologia e órbita e, também, à oftalmologia pediátrica para, em 1990, me vir a dedicar à córnea e que acabou por constituir o ponto de partida para a cirurgia refrativa e a imagiologia do segmento anterior do globo ocular.

OF: O que falta fazer nessa área, em termos de investigação?

ACD:
Falta compreender melhor o fenómeno da presbiopia e aperfeiçoar a sua cirurgia.

Leia a entrevista completa na OftalPro 17

17 Abril 2012
Entrevistas

`

Notícias relacionadas

“Auxiliamos os médicos a reduzir os espaços vazios na agenda”

Mickael Freitas, responsável pela DocBay, concedeu-nos uma entrevista para explicar em que consiste a plataforma que surgiu em 2023. A ideia nasceu da necessidade de trazer software moderno para simplificar a área da saúde” na vertente do médico, mas também do paciente, explica.

Ler mais 22 Maio 2024
Entrevistas

“A verdadeira visão vem da mente”

Quem o diz é Tarris Marie, autora estreante do livro Blaque Pearle e criadora artística, que foi diagnosticada com a doença de Stargardt aos 30 anos. Para ela o mundo é atualmente um espaço de “possibilidades infinitas” que lhe fez encontrar novos caminhos.

Ler mais 22 Abril 2024
Entrevistas