Prémio Champalimaud distingue terapia genética que cura cegueira hereditária

Imagem da notícia: Prémio Champalimaud distingue terapia genética que cura cegueira hereditária

O Prémio António Champalimaud de Visão, o maior do mundo na área, foi atribuído a sete investigadores que desenvolveram uma terapia genética para uma forma de cegueira infantil hereditária. O galardão é composto por uma bolsa no valor de um milhão de euros.

O prémio foi atribuído ao investigador norte-americano Michael Redmond, que descobriu uma terapia genética para a amaurose congénita de Leber, uma forma de cegueira infantil, e à equipa que a desenvolveu, formada por Jean Bennett, Albert Maguire, Robin Ali, James Bainbridge, Samuel Jacobson e William Hauswirth.

A terapia consiste em “substituir um gene danificado por um gene normal”, afirmou Albert Maguire, adiantando que a equipa conseguiu “usar um vírus, que não causa nenhuma doença, para levar o gene normal às células nervosas”.

Segundo a organização, a descoberta constitui a primeira terapia genética que consegue curar uma doença hereditária e abre caminho para o desenvolvimento de outras.

O trabalho baseou-se na clonagem de um gene e pelo reconhecimento do seu papel no metabolismo da vitamina A para a visão. Essa clonagem permitiu a reposição do gene no olho, o que restaura a visão.

5 Setembro 2018
AtualidadeOftalmologia

PUBLICIDADE
Mido 2019
`

Notícias relacionadas

A visão na infância

No artigo da ortoptista Nadine Carvalho Gonçalves, que será publicado na próxima edição da OftalPro, atentamos para alguns dos problemas oculares mais comuns na infância.

Ler mais 15 Fevereiro 2019
Oftalmologia

Colírio que “derrete” cataratas nos olhos?

Uma equipa de cientistas norte-americanos descobriu que o Lanosterol, um esteroide sintetizado pelo organismo, ou seja, que é produzido naturalmente, é capaz de derreter cataratas e impedir o seu desenvolvimento quando administrado regularmente pelos pacientes por meio de um colírio desenvolvido.

Ler mais 6 Fevereiro 2019
Oftalmologia