Cancro: centro de investigação europeu distingue estudo da FCTUC

Imagem da notícia: Cancro: centro de investigação europeu distingue estudo da FCTUC

Um estudo que, pela primeira vez, avaliou o impacto de fármacos anticancerígenos na água do interior das células foi distinguido com o Society Impact Award 2019, prémio atribuído pelo ISIS Neutron and Muon Source, laboratório que possui um dos mais potentes feixes de neutrões e muões do mundo, localizado no Reino Unido.

Lançado em 2018, o ISIS Impact Award reconhece o impacto científico, social e económico do trabalho desenvolvido pela comunidade de utilizadores das instalações do centro – cerca de um milhar de cientistas de todo o mundo por ano.

O estudo agora premiado, liderado por Maria Paula Marques e Luís Batista de Carvalho, da Unidade de I & D Química-Física Molecular (QFM) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), visa o desenvolvimento de novos fármacos antitumorais com múltiplos locais de ação, a designada quimioterapia multialvo, que permite aumentar a eficácia do tratamento de doentes com cancro,principalmente em casos de prognóstico muito baixo.

Geralmente, explicam os investigadores, “os medicamentos de combate ao cancro têm um único alvo (uma molécula recetora, que pode ser o ADN, uma proteína específica, a membrana da célula, etc.). Mas se conseguirmos um fármaco que atue simultaneamente em vários locais da célula, a eficácia do tratamento será maior, e terá menos efeitos tóxicos para o paciente”.

Sabendo-se que a água, a substância mais abundante dentro da célula, é essencial para o seu bom funcionamento, estes investigadores decidiram estudar o comportamento dos diferentes tipos de água intracelular na presença de fármacos anticancerígenos.

“Só conhecendo todas as mudanças que os medicamentos desencadeiam na estrutura da água no interior da célula é possível avaliar de que forma esta água pode ser usada como um alvo terapêutico. É a primeira vez que se tenta perceber o efeito de fármacos na água intracelular”, notam os investigadores que trabalham no desenvolvimento de novos fármacos contra o cancro há cerca de duas décadas.

13 Junho 2019
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Máscaras de Angelina Meireles são “solidárias”

A Mundo A Sorrir avançou com a venda de máscaras reutilizáveis feitas em capulana (tecido tradicionalmente utilizado em África), cuja receita reverte na totalidade para o projeto “Saúde A Sorrir na Guiné-Bissau”, desenvolvido desde 2005. A criadora destas máscaras é a médica oftalmologista Angelina Meireles.

Ler mais 25 Maio 2020
AtualidadeOftalmologia

Textura da retina pode alertar para doença de Alzheimer

Engenheiros biomédicos da Duke University desenvolveram um novo dispositivo de imagem capaz de medir a espessura e a textura das várias camadas da retina na parte posterior do olho. O avanço pode ser usado para detetar um biomarcador da doença de Alzheimer, oferecendo potencialmente um sistema de alerta precoce para a doença.

Ler mais 20 Maio 2020
AtualidadeOftalmologia