Rufino Silva: Covid-19 e o impacto na oftalmologia

Imagem da notícia: Rufino Silva: Covid-19 e o impacto na oftalmologia

O médico oftalmologista Rufino Silva partilha com a OftalPro quais são os impactos da pandemia Covid-19 no ramo da oftalmologia. “A Covid-19 teve, tem e terá no futuro um impacto enorme na oftalmologia portuguesa e mundial”.

Começa por dizer que “o primeiro grande impacto consistiu numa paragem abrupta dos cuidados médicos na área da oftalmologia em Portugal, no público e no privado. Todos nós sabemos que o número de atos médicos da área da oftalmologia é significativamente superior ao de outras especialidades clínicas. Subitamente parámos a atividade clínica programada e vimo-nos obrigados a dar resposta apenas aos casos mais urgentes. Mesmo situações agudas para as quais foram disponibilizados cuidados ficaram por realizar devido ao medo dos doentes em comparecer. Os cuidados médicos que antes prestávamos continuam a ser necessários. O impacto desta ausência de tratamentos vai ser mais evidente nos próximos meses”.

Quanto ao segundo impacto, “está relacionado com a necessidade de adotar medidas de segurança rigorosas para doentes e corpo clínico. A pandemia apanhou de surpresa todos os sistemas de saúde a nível mundial. Ninguém estava preparado para algo semelhante e foi a realidade a impor-se. As medidas de proteção foram implementadas de forma tardia (por ex: a obrigatoriedade do uso de máscara para a todos os doentes que entram numa instituição de saúde), com uma alta taxa de contágio entre os profissionais”.

Acrescenta que “o terceiro impacto teve a ver com a telemedicina que foi iniciada e terá certamente maior utilização no futuro, adaptada à oftalmologia. O poder de informação da imagem e da tecnologia em oftalmologia é enorme. Num futuro, que pode ser mais ou menos distante, conforme a evolução da pandemia e a nossa capacidade em inovar, a telemedicina irá ocupar um espaço muito importante na nossa especialidade. Os cuidados médicos de proximidade poderão passar, por exemplo, pela realização de exames na área de residência e pela prestação de serviços diferenciados em centros de referência, com circulação da informação entre os centros”.

Opinião completa em breve.

26 Maio 2020
AtualidadeOftalmologia

`

Notícias relacionadas

UOC reforça corpo clínico e responde à crise pandémica

A UOC - Unidade de Oftalmologia de Coimbra reforçou o corpo clínico e implementou um protocolo próprio de resposta à crise pandémica, complementando assim as normas da DGS, no sentido de assegurar os melhores níveis de prevenção, qualidade de serviço, segurança e confiança para os seus doentes.

Ler mais 6 Julho 2020
Oftalmologia