Profissionais de saúde precisam de mais formação em competências digitais

Imagem da notícia: Profissionais de saúde precisam de mais formação em competências digitais

Um estudo europeu liderado pelo investigador português Luís Lapão, da Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa|NOVA FCT conclui que, no cenário atual de transição digital, é urgente ampliar programas de formação em competências digitais para os profissionais de saúde; a grande maioria dos profissionais inquiridos não sabe utilizar as ferramentas digitais necessárias, desde aplicações de edição de texto às tecnologias e aplicações de serviços digitais mais avançados, incluindo de telemedicina.

No primeiro semestre de 2023, o estudo ‘Training Needs Assessment for the Design of Health Care Digital Transformation Courses in EU’, cofinanciado pelo projeto EU4Health da Comissão Europeia, fez um levantamento das necessidades dos profissionais de saúde em Portugal, Bélgica, Letónia, Noruega e Itália, com enfoque nas competências digitais, desde os níveis básicos aos mais avançados. Os resultados do estudo são apresentados num paper que será divulgado em dois congressos científicos: no próximo dia 25 de junho, na IEEE MELECON 2024, no Porto; e entre os dias 13 e 15 de novembro, na European Public Health Conference 2024, em Lisboa.

Entre os resultados do estudo, destaca-se alguma “incapacidade de utilizar” corretamente as ferramentas digitais, que contrasta com um setor em constante inovação e implementação de processos digitais.

Segundo os profissionais de saúde inquiridos, 53% reconhece que tem algumas competências digitais de informação e comunicação, desde aplicações de edição de texto aos aplicativos de comunicação interna (exemplo, Microsoft Word, MS Teams), mas somente 27% dos profissionais confirma conseguir utilizar estas ferramentas para resolver problemas no seu ambiente de trabalho na saúde. Relativamente a competências digitais avançadas, nomeadamente, utilizando ferramentas analíticas ou baseadas em “Internet of Things” (exemplo, smart devices, aplicações de telemedicina), 56% considera ter competências de análise de dados (exemplo, registos clínicos), mas apenas 21% dos inquiridos afirma dominar as soluções digitais que tem ao seu dispor, e 12% reconhece que estas tecnologias existem, mas não as utiliza. 

Os resultados do estudo revelam que é urgente desenvolver programas de formação em competências digitais focados nas necessidades reais, colaborativas e individuais dos profissionais da saúde, e que é necessário um processo de requalificação para os mesmos acompanharem a complexa transição digital que ocorre no setor da saúde.

O estudo conclui ainda que, segundo a necessidade e vontade dos profissionais, a formação deve ser em formato híbrido – apesar dos profissionais preferirem a formação presencial, diretamente no ambiente de trabalho, a investigação demonstra que o ensino online é eficaz, sobretudo na parte teórica. Os profissionais da saúde dominam e conhecem as soft skills, mas reiteram a necessidade e interesse de uma formação contínua, sobretudo em gestão de tempo e do stress.

“Num cenário de saúde em rápida evolução, a transformação digital da saúde é o presente e futuro inadiáveis.  Sem as competências necessárias, nomeadamente as digitais, este caminho toma um rumo insustentável para os profissionais e as equipas de saúde. Neste estudo ficam claras as reais necessidades dos profissionais da saúde, partindo de duas questões principais: que competências têm? e quais as competências que consideram necessário desenvolver? Os resultados revelam que é necessário apostar seriamente em formação de qualidade, a todos os níveis de cuidados, não esquecendo os cuidados primários de saúde, por forma a alcançarmos um ecossistema digitalmente capacitado, que acompanhe estes tempos de constante e rápida inovação tecnológica”, defende Mélanie Maia, investigadora do projeto e primeira autora do paper.

‘Training Needs Assessment for the Design of Health Care Digital Transformation Courses in EU’ consistiu num inquérito e focus-groups, realizados a cerca de 400 participantes validados que representam a multidisciplinaridade dos profissionais da saúde: nutricionistas, radiologias, técnicos de laboratório, médicos, dentistas, parteiras, enfermeiros, terapia ocupacional, fisioterapia, assistentes sociais, entre outros (incluindo gestores e consultores), em cinco países europeus, incluindo Portugal. 

A investigação foi liderada por uma equipa de investigadores do UNIDEMI, a Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Engenharia Mecânica e Industrial da NOVA FCT, em colaboração com outros investigadores da União Europeia. O estudo está inserido no projeto europeu ‘eHospital4Future – Building future through an innovated and digital skilled hospital’ (EU4Health 101101190).

Imagem de Free-Photos por Pixabay

19 Junho 2024
Estudos e Investigação

`

Notícias relacionadas

Os desafios dos CEO’s para 2024

A consultora americana McKinsey & Company consolidou as opiniões que surgiram das conversas com centenas de CEO’s e agregaram um conjunto de dados sobre como as empresas podem fazer melhor para a sociedade, as comunidades e os funcionários.

Ler mais 1 Março 2024
Estudos e Investigação