Cérebro atua de forma diferente quando piscamos os olhos

Imagem da notícia: Cérebro atua de forma diferente quando piscamos os olhos

O simples hábito de piscar os olhos não serve apenas para promover uma maior hidratação desta parte do corpo. Para o nosso cérebro é mesmo como se fosse uma pequena soneca que vamos fazendo ao longo do dia.

Segundo o site Notícias ao Minuto, o cientista Mark Wexler, citado pelo site Science of US, explica que o nosso cérebro atua de forma diferente quando estamos de olhos fechados, mesmo que seja por breves instantes (e aqui referimos-nos a milésimos de segundos). Na prática – e tal como acontece quando estamos a dormir – a perceção do tempo é diferente quando estamos de olhos fechados se a compararmos com aquela que temos quando estamos com os olhos abertos.

Para tentar perceber esta relação entre o movimento das pálpebras e a sensação de tempo, Wexler levou a cabo uma série de experiências com pessoas e concluiu que “durante um piscar de olhos, o tempo é descontado em 50 a 70%, ou seja, o tempo passa duas a quatro vezes mais rápido quando os olhos estão fechados do que quando os olhos estão abertos em plena escuridão”, tal como acontece quando dormimos (sim, falamos daquela sensação de ter já dormido umas valentes horas, mas que na verdade pouco mais de uma hora passou).

Saiba mais aqui.

27 Junho 2017
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Pedro Menéres apresenta candidatura à SPO

Com a experiência de dois mandatos na direção da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) (biénio 2015/2016 e 2021/2022), e exercício anterior como membro do Board de duas sociedades internacionais (ESA e ESCRS), Pedro Menéres apresenta agora a sua candidatura à presidência da SPO para o biénio que se inicia em janeiro de 2025.

Ler mais 16 Julho 2024
Atualidade

AbbVie apoia SEMEAR e doa 100 cabazes à Academia Johnson

A AbbVie realizou, em junho, mais um "Week of Possibilities", o seu programa global de responsabilidade social que consiste em contribuir para as comunidades locais através do voluntariado. Nesta edição, a biofarmacêutica colaborou com o projeto SEMEAR para a doação de 100 cabazes à Academia Johnson.

Ler mais 15 Julho 2024
Atualidade