Há mais acidentes com brinquedos laser

Imagem da notícia: Há mais acidentes com brinquedos laser

Aproxima-se a noite do Natal, conhecida por trazer novos brinquedos para o lar das famílias portuguesas. Mas será que todos os brinquedos são seguros para a saúde ocular das crianças? A resposta é não.

Ana Vide Escada, médica oftalmologista da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, explica que “existem brinquedos com laser que têm um grande potencial de lesão ocular nas crianças e que o número de acidentes causados por este tipo de brinquedos tem vindo a aumentar”. 

A especialista explica que “os mais pequenos não têm maturidade suficiente para entenderem que não devem olhar para a luz laser e pela curiosidade normal da idade podem mesmo apontá-lo diretamente (ou através da reflexão em espelhos) para os seus olhos, aumentando o tempo de exposição e a área atingida. Isto, em associação ao facto de o olho das crianças ser mais transparente do que o dos adultos, coloca-as num risco superior de sofrerem lesões oculares, que podem ir desde períodos transitórios de turvação da visão até perda irreversível da acuidade visual”.

Não se deve, de todo, comprar brinquedos com laser não regulamentados, pois estes não passam por qualquer controlo de segurança e podem ter potências mil vezes superiores ao que seria o limiar de segurança apropriado, constituindo verdadeiras armas”.

21 Dezembro 2018
Atualidade

`

Notícias relacionadas

Pedro Menéres apresenta candidatura à SPO

Com a experiência de dois mandatos na direção da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) (biénio 2015/2016 e 2021/2022), e exercício anterior como membro do Board de duas sociedades internacionais (ESA e ESCRS), Pedro Menéres apresenta agora a sua candidatura à presidência da SPO para o biénio que se inicia em janeiro de 2025.

Ler mais 16 Julho 2024
Atualidade

AbbVie apoia SEMEAR e doa 100 cabazes à Academia Johnson

A AbbVie realizou, em junho, mais um "Week of Possibilities", o seu programa global de responsabilidade social que consiste em contribuir para as comunidades locais através do voluntariado. Nesta edição, a biofarmacêutica colaborou com o projeto SEMEAR para a doação de 100 cabazes à Academia Johnson.

Ler mais 15 Julho 2024
Atualidade