“Sou contra a atribuição de bonificações a todos os jovens que usem óculos”

Imagem da notícia: “Sou contra a atribuição de bonificações a todos os jovens que usem óculos”

A polémica de que o uso de óculos por si só daria direito a uma bonificação por deficiência levou a uma corrida aos consultórios de oftalmologia. Em causa está a interpretação do termo “deficiente”. Para o oftalmologista e ex-presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) e do Colégio de Oftalmologia, Florindo Esperancinha, deve ter direito à bonificação quem tem deficiência não recuperável pelo uso de uma prótese ocular ou lentes de contacto e está abrangido pela Tabelas Nacional de Incapacidade, com base no seu rendimento familiar e no seu grau de incapacidade. 

Como ex-presidente da SPO e do Colégio de Oftalmologia, qual a sua posição sobre a discussão relativa à bonificação de óculos a jovens?

Florindo Esperancinha: O que a Segurança Social nos pede é o preenchimento de um requerimento de bonificação por deficiência; e toda a discussão tem sido enviesada porque a legislação portuguesa é muito clara quanto se vai clarificar o conceito de deficiência plasmado na lei nacional. Foi o que fiz num documento enviado para o presidente da SPO, para o atual presidente do Colégio de Oftalmologia e para o bastonário da Ordem dos Médicos. Recebi do bastonário da Ordem dos Médicos um ofício em que considera que o propugnado no documento (e na lei) leva não só à dissipação de quaisquer dúvidas na aplicação da lei bem como alcançar a certeza e a justiça jurídicas na aplicação do Direito.

OF: Na sua opinião quem deve beneficiar de subsídios e sob que condições?

FE: Em concreto, defendo que só se deve passar o documento aos jovens que estejam enquadrados no conceito de deficiência definido na lei nacional, e não a todos os que usem óculos.

OF: É urgente uma revisão legislativa sobre a matéria em questão?

FE: Uma revisão legislativa sobre esta matéria é uma revisão com alguma complexidade, porque interfere com a Tabela Nacional de Incapacidades, quer para os acidentes de trabalho quer para o Direito Civil, pelo que, em minha opinião, se o Governo pretende dar subsídios para os óculos a todas as crianças, que o faça sob a forma de cheque para óculos, mas afastando o conceito de deficiência. Como contribuinte, sou contra a atribuição a todos os jovens que usem óculos, porque são centenas de milhões de euros que poderão ser distribuídos de uma maneira socialmente mais equitativa a quem precisa.

Entrevista completa na OftalPro 47.

6 Fevereiro 2020
Entrevistas

PUBLICIDADE
Mido 2020
`

Notícias relacionadas

“Escolhi oftalmologia porque me pareceu mais aliciante”

Joaquim Mira, após a conclusão do ensino secundário à noite, enquanto trabalhava durante o dia, iniciou em 1975 o Curso de Medicina na Universidade de Coimbra e em 1986 a especialidade de oftalmologia no Hospital da Universidade de Coimbra. Hoje é uma referência no país no que diz respeito à cirurgia refrativa e da catarata.

Ler mais 31 Março 2020
Entrevistas

Joaquim Mira em entrevista

Joaquim Mira nunca imaginou que seria médico oftalmologista, mas sempre soube que o seu objetivo era ir longe. Hoje é uma referência no país no que diz respeito à cirurgia refrativa e da catarata.

Ler mais 12 Março 2020
Entrevistas

“Na saúde tudo são vasos comunicantes”

Erica Cardoso, presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Oftalmologia Gama Pinto (IOGP), formado também por Sandra Barrão (diretora clínica), Odete Afonso (enfermeira diretora) e Emílio Fernandes (vogal executivo), falou com a OftalPro sobre alguns dos segredos do sucesso do IOGP.

Ler mais 16 Janeiro 2020
Entrevistas