Investigação de Birmingham abre caminho a uma nova terapia anti fibrótica para o glaucoma

Imagem da notícia: Investigação de Birmingham abre caminho a uma nova terapia anti fibrótica para o glaucoma

Os cientistas da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, demonstraram que um novo dextranossulfato de baixo peso molecular, ILB®, poderia desempenhar um papel fundamental no tratamento do glaucoma de ângulo aberto (OAG), uma doença neurodegenerativa que afeta mais de 70 milhões de pessoas em todo o mundo e causa cegueira irreversível.

O OAG desenvolve-se lentamente ao longo de muitos anos. A deposição excessiva de matriz (fibrose) no local principal de drenagem de fluidos do olho pode levar a um aumento da pressão intraocular (PIO), resultando em danos no nervo ótico.

A investigação, publicada no npj Regenerative Medicine, demonstrou que a ILB pode normalizar o depósito matricial dentro do olho e baixar a pressão intraocular num modelo pré-clínico utilizado para imitar estes aspetos do glaucoma humano, abrindo o caminho para novas terapias anti fibróticas a serem desenvolvidas para a doença.

A OAG é uma doença complexa e tem provado ser difícil desenvolver uma terapêutica eficaz para visar as vias bioquímicas envolvidas. As terapias existentes funcionam principalmente reduzindo a produção de fluidos no olho, e não tratando as causas subjacentes, mesmo as terapias mais recentes têm mostrado um sucesso muito limitado.

Os cientistas de Birmingham concentraram-se numa via inflamatória que é comum a várias doenças e envolve o Transforming Growth Factor β (TGFβ), uma molécula de sinalização, que comunica entre células e orquestra tanto inflamação como fibrose. O papel do TGFβ no OAG é bem conhecido, com os doentes a demonstrarem níveis mais elevados no seu humor aquoso e os estudos laboratoriais a demonstrarem que o aumento artificial do TGFβ dentro do olho pode levar à fibrose.

Os cientistas descobriram que a ILB tem ações multimodais através de muitos genes que resolvem processos celulares inflamatórios e fibróticos. Quando progrediram no seu trabalho para um modelo experimental pré-clínico de glaucoma, descobriram que as injeções subcutâneas diárias de ILB reduziram significativamente (p<0,01) os níveis de matriz extracelular no local principal de drenagem do olho, normalizaram a pressão do olho e impediram a degeneração dos neurónios da retina. A investigação foi conduzida pela doutora Lisa Hill, do Instituto de Ciências Clínicas, e pela doutora Hannah Botfield, do Instituto de Inflamação e Envelhecimento. “Estamos verdadeiramente entusiasmadas com estes resultados, que mostram um caminho para um tratamento de glaucoma que pode inverter o processo fibrótico que causa a doença”, comentaram. 

Os médicos que trabalham em oftalmologia preferem geralmente a terapêutica local à terapêutica sistémica, uma vez que é uma via de administração mais segura e que é mais aceitável para os pacientes.

Lisa Hill, uma das investigadoras, está a liderar um projeto para formular uma alternativa tópica que evitará a necessidade de injeção, juntamente com Imran Masood, um cirurgião oftalmologista consultor do Sandwell and West Birmingham NHS Trust e o professor Liam Grover, um perito em biomateriais do Instituto de Tecnologias da Saúde da Universidade de Birmingham, para avaliar a utilização de um novo gel fluido de cisalhamento para a resolução do glaucoma.

O gel fluido de cisalhamento foi desenvolvido para utilização como gotas oftálmicas que são retidas por um longo período de tempo após a administração, tendo sido registadas patentes para a sua utilização, tanto isoladamente, como em combinação com outras terapêuticas.

Estudos anteriores mostraram que o gel fluido reduz a cicatrização da córnea quando aplicado topicamente, e é uma molécula transportadora eficaz para outras terapêuticas.

Veja o artigo completo aqui.

26 Maio 2021
AtualidadeOftalmologia

PUBLICIDADE
|MIDO 2022
`

Notícias relacionadas