Lentes de contacto hidrófilas e a segurança do seu uso a longo prazo

Imagem da notícia: Lentes de contacto hidrófilas e a segurança do seu uso a longo prazo

Estes estudos indicam que crianças a partir dos 8 anos de idade podem usar lentes de contacto hidrófilas numa gama de prescrições, com toda a segurança, inclusive como medida de intervenção para o controlo da miopia.

A adaptação de lentes de contacto

A adaptação de lentes de contacto em crianças tem numerosas vantagens funcionais e emocionais, como um melhor desempenho visual, sucesso académico e desportivo, bem como uma melhor autoestima e a forma como são percecionadas pelos seus pares. Há provas crescentes de que esta é a primeira escolha para a correção de erros de refração para todos os amétropes.

A investigação também demonstrou que alguns modelos de lentes de contacto hidrófilas multifocais (originalmente concebidas para presbiopia) e lentes especialmente concebidas para o controlo da miopia conseguiram abrandar a progressão da miopia. Contudo, um recente inquérito internacional sobre a adaptação de lentes de contacto para controlo da miopia em crianças mostrou que a adaptação para controlo da miopia representava apenas 2,3% de todas as lentes adaptadas a crianças.

Compreender as barreiras

O uso saudável das lentes de contacto é e deve ser a questão mais importante para os profissionais quando as adaptam a todos os pacientes e, claro, quando as adaptam a crianças ou adolescentes. Esta é também uma prioridade para os pais. Dois inquéritos globais sobre as perceções e atitudes dos profissionais e dos pais em relação à miopia e ao tratamento da miopia sugerem que os profissionais enfrentam barreiras por parte dos pais que acreditam que o uso de lentes de contacto não é apropriado para as crianças

O artigo completo está disponível na revista OftalPro 62.

22 Novembro 2023
Estudos e Investigação

`

Notícias relacionadas

Ativar o córtex visual: mudar a estimulação, mas não o alvo

Dada a elevada resolução das imagens de ativação neuronal obtidas por ultrassons nas profundezas do córtex visual, os quatro cientistas interrogaram-se: "Parecia realista fazer o contrário, ou seja, projetar imagens de ultrassons no cérebro, com uma resolução espacial muito boa", resume Serge Picaud.

Ler mais 20 Fevereiro 2024
Estudos e Investigação

Investigadora desenvolve solução injetável para a regeneração de tecidos

Patrícia Alves, investigadora do Centro de Engenharia Química e Recursos Renováveis para a Sustentabilidade (CERES), do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), está a desenvolver uma solução injetável inteligente para auxiliar na regeneração de tecidos.  

Ler mais 8 Fevereiro 2024
Estudos e Investigação