“Tento imaginar-me no lugar do paciente, ser honesto com humanidade”

Imagem da notícia: “Tento imaginar-me no lugar do paciente, ser honesto com humanidade”

Falámos com alguns médicos oftalmologistas sobre a forma de comunicar más notícias. Hoje temos a opinião de Miguel Sousa Neves.

OftalPro: Quais são as principais dificuldades que sentem quando têm de comunicar más notícias a um paciente?

Miguel Sousa Neves: Como médico, a impotência perante uma doença que não consigo tratar. Como pessoa, tento geralmente imaginar-me no lugar do paciente para poder escolher a melhor maneira para abordar o assunto. No fundo, ser honesto com humanidade.

OF: Será que pode contar-nos uma história de algum caso complicado?

MSN: Já tive muitos casos complicados em que tive que explicar, por exemplo, que não era possível tratar e que eventualmente iria cegar. Mas acho que o fiz sempre com um sentido de responsabilidade perante um ser humano que se manteve ligado a mim e à clínica. No caso de fraca adesão à terapia (ex: doentes com glaucoma crónico a aplicar várias qualidades de gotas) já me servi muitas vezes de familiares para ajudarem no tratamento e acompanhamento desses pacientes. Não tenho assim nenhum caso particular que me venha neste momento à memória.

Artigo completo na OftalPro 33.

7 Julho 2016
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Rufino Silva, novo presidente da SPO, em entrevista

Formação científica e educação médica, revisão dos estatutos, defesa do ato médico em oftalmologia e indexação internacional da revista da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO). São estes os principais desafios que Rufino Silva, recém-eleito presidente da SPO, projeta para o próximo biénio.

Ler mais 18 Fevereiro 2021
Entrevistas