Médicas oftalmologistas alertam para doença de LHON

Imagem da notícia: Médicas oftalmologistas alertam para doença de LHON

Ana Fonseca, oftalmologista do Centro Hospitalar de Lisboa Norte e uma das palestrantes do simpósio sobre o tema, realizado no decorrer do 61º Congresso Português de Oftalmologia, confirma que “é muito pesado” informar alguém que possui Neuropatia Ótica Hereditária de Leber (LHON) e chama à atenção para a importância do diagnóstico precoce.

A doença de LHON é uma doença genética mitocondrial, com transmissão de mãe para filhos. No entanto, os hábitos de vida podem ter aqui o seu impacto.

“Existe uma teoria de que nos doentes que se apresentam muito precocemente, na adolescência, a doença é fundamentalmente genética. Ou seja, a carga genética é tão pesada que a doença se vai manifestar, havendo ou não fatores de risco de estilo de vida”, explica Ana Fonseca.

Nos doentes que se apresentam mais tarde na vida, é o componente tóxico que faz com que a doença genética se manifeste”. “É fundamental, por isso, começar a terapêutica o mais cedo possível, porque quanto mais cedo for iniciada, melhor o prognóstico”.

Valerie Touitou, especialista em neuroftalmologia do Hôpital Pitié-Salpêtrière, outra das oradoras do simpósio, teve a seu cargo a apresentação das opções de tratamento para esta doença e o que o futuro reserva.

“Já demos passos muito importantes, com a aprovação, em 2015, do único medicamento capaz de tratar LHON”, refere, salientando um passo que considera “fantástico”. Mas outros poderão vir em breve. 

18 Dezembro 2018
Oftalmologia

PUBLICIDADE
Mido 2020
`

Notícias relacionadas

Alcon desenvolveu estudo “More to See”

O estudo da Alcon “More to See”revela que a maior parte das pessoas com mais de 60 anos desconhece em que consiste a doença das cataratas e a sua relação direta com a idade.

Ler mais 15 Novembro 2019
Oftalmologia

Exigências visuais e fadiga visual em médicos oftalmologistas

As exigências visuais, designadamente da visão ao perto, são cada vez mais frequentes no mundo do trabalho, podendo causar fadiga visual ou astenopia. Os médicos oftalmologistas exercem atividades que exigem esforço visual, o que determina o interesse no seu estudo pela saúde ocupacional.

Ler mais 14 Novembro 2019
Oftalmologia