“O investimento que fazemos na nossa formação é grande”

Imagem da notícia: “O investimento que fazemos na nossa formação é grande”

Rita Gama é coordenadora da equipa da oftalmologia pediátrica do Hospital da Luz Lisboa e foi premiada com o Best Free Paper Award, do congresso da World Society of Pediatric Ophthalmology and Strabismus (WSPOS), que decorreu nos dias 25 e 26 de setembro em formato virtual. Com um percurso vasto na oftalmologia, Rita Gama dedica-se às áreas de Estrabismo, Oftalmologia Pediátrica e Tomografia de Coerência Ótica. A OftalPro foi ao encontro da médica que abordou vários temas, nomeadamente as maiores preocupações em relação à oftalmologia em Portugal.

Foi distinguida recentemente no Congresso WSPOS. Em que consistiu essa distinção?

A World Society of Pediatric Ophthalmology and Strabismus distinguiu o nosso trabalho como a melhor apresentação oral do congresso virtual, que se realizou nos dias 25 e 26 de setembro de 2021. Este trabalho iniciou-se há oito anos e contou com a colaboração de crianças que recorreram à nossa consulta. Com a tomografia de coerência ótica (OCT) demonstrámos que as estruturas microscópicas do olho (retina e nervo ótico) são diferentes na criança e no adulto. Antes da OCT estes conhecimentos só eram possíveis com estudos histológicos (com tecidos mortos). Com este exame analisamos estruturas vivas e podemos prever como é que o crescimento altera estas estruturas.

Que importância tem o reconhecimento e os prémios que vai recebendo ao longo da carreira?

Os trabalhos que procuramos levar para os congressos exigem muito tempo e uma grande dedicação para conseguir atingir a qualidade que estas sociedades exigem. Conciliar a atividade clínica com a investigação é difícil. Por isso, prémios como este são um estímulo para fazer mais e melhor.

” (…) a relação que se estabelece com cada doente é única e irrepetível”

Rita Gama

Como descreve a oftalmologia que se pratica em Portugal em relação ao estrangeiro?

É igual. Temos os mesmos equipamentos, o mesmo rigor e as mesmas preocupações éticas. Por vezes ainda sentimos alguma inibição em mostrarmo-nos, mas esse sentimento está menos presente nos colegas mais jovens e tem vindo a dissipar-se.

Quais são as suas maiores preocupações em relação à oftalmologia em Portugal?

A maior preocupação é a pressão exercida pelas administrações hospitalares. A medicina tem sido tratada numa atividade rentável pelas atuais administrações. De facto, é rentável, mas avaliar as atividades médicas, auxiliares e administrativas por esse prisma é muito redutor. O investimento que fazemos na nossa formação é grande e a relação que se estabelece com cada doente é única e irrepetível. Penso que a avaliação deveria incluir características técnicas e o grau de satisfação das pessoas que nos procuram.

Entrevista completa na OftalPro 54.

17 Janeiro 2022
Entrevistas

`

Notícias relacionadas

“Temos a missão de simplificar a saúde”

A DocBay surge em 2023, numa ideia que nasce da necessidade de trazer "software moderno para simplificar a área da saúde, marcada por complexidade, tanto na experiência de acesso à saúde para o paciente como no trabalho do médico".

Ler mais 18 Abril 2024
Entrevistas

“A minha vida mudou drasticamente. Tive de aprender a ver com novos olhos”

Diagnosticada com a doença de Stargardt aos 30 anos, o mundo de Tarris Marie é atualmente um espaço de “possibilidades infinitas” que lhe fez encontrar novos caminhos nas artes, como a escrita ou o teatro. O livro de estreia, Blaque Pearle, é o rosto de uma criadora artística que usa “fragmentos da vida, imaginação e experiências para contar histórias”. 

Ler mais 28 Março 2024
Entrevistas