“A visão é um processo de aprendizagem”

Imagem da notícia: “A visão é um processo de aprendizagem”

Luís Manuel Costa Dias Pereira tem uma longa carreira (e vida) ligada à oftalmologia. “A decisão de me dedicar quase de forma exclusiva à estrabologia prendeu-se com a sensação de desafio que senti, ainda na fase de formação, por constatar que era uma área em que poderia atuar profilaticamente, ainda na prevenção primária, o que considero ser um dos aspetos mais importantes da medicina”.

OftalPro: Quais as alterações psicológicas que podem estar presentes no estrabismo? E como preveni-las?
Luís Pereira: Do ponto de vista estético, o estrabismo é mal aceite pela maior parte das sociedades. Ter um aspeto diferente dos outros leva muitas vezes à troça e hostilização. O mesmo acontece no relacionamento interpessoal. Tem um impacte negativo na autoestima. O desenvolvimento da personalidade das crianças pode ser afetado por este problema. Também a relação pais-filhos pode ser afetada por problemas psicológicos aumentando a ansiedade dos pais. Daí que estas alterações, como já sugeri anteriormente, podem ser minimizadas pela participação em decisões que dizem respeito ao tratamento médico-cirúrgico do problema que afeta os filhos. Como é do conhecimento geral, a prevenção, como tudo, deve começar antes do nascimento. Por isso, a gravidez deve ser planeada e os cuidados gerais de saúde devem iniciar-se antes de engravidar. A mulher grávida deve antes de mais ter os cuidados gerais compatíveis com uma vida saudável. Estes incluem uma dieta cuidada, um bom equilíbrio entre o exercício físico adequado e o repouso e abstinência de fumo, álcool e outras drogas. Devemos ter presente que a visão é um processo de aprendizagem. Na espécie humana a visão não se encontra completamente desenvolvida ao nascer. A acuidade visual é nessa altura muito baixa (equivalente a 1/10), mas aumenta rapidamente nas primeiras semanas de vida. Os primeiros três meses de vida são particularmente importantes para o estabelecimento da fixação e desenvolvimento da acuidade visual na criança. A capacidade de perseguição de um estímulo visual é igualmente importante, relacionando-se com a fixação, a acuidade visual, a motilidade ocular e o desenvolvimento do campo visual. Aos quatro anos, é de esperar uma acuidade visual de cerca de 7/10 e de 10/10 aos cinco anos. Qualquer anomalia que interfira com este processo de aprendizagem, com este adquirir de competências, terá necessariamente consequências a longo prazo. O exame oftalmológico da criança não está confinado à avaliação da função visual… Como existem dois olhos, nunca esquecer que um pode ver mal sem ser notado e o estrabismo é um dos responsáveis por esta situação grave.

Entrevista completa na OftalPro 39.

11 Dezembro 2017
Entrevistas

`

Notícias relacionadas

“A oftalmologia é uma especialidade muito bonita e gratificante”

Quem o diz é Andreia Rosa, médica oftalmologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e na Unidade de Oftalmologia de Coimbra (UOC). A OftalPro foi conhecer esta médica oftalmologista que vê a oftalmologia como uma especialidade “muito bonita e gratificante”.

Ler mais 8 Julho 2022
EntrevistasOftalmologia

HE-UFP acolhe alunas ucranianas no serviço de oftalmologia

O Hospital-Escola da Universidade Fernando Pessoa (HE-UFP) está a acolher estudantes de medicina provenientes da Kharkiv National Medical University no serviço de oftalmologia. Sandra Guimarães, médica oftalmologista e coordenadora deste serviço, e as duas alunas que integram o estágio falaram com a OftalPro sobre esta iniciativa que, apesar da guerra, já estava prevista.

Ler mais 6 Julho 2022
EntrevistasOftalmologia

“Este livro é reflexo do respeito e gratidão pelas crianças que acompanhamos”

A parentalidade e pedagogia foram o catalisador para o nascimento de uma obra “útil”, onde se pudesse abordar o tema da utilização de óculos nas crianças e o tratamento da ambliopia. As médicas Rita Couceiro e Joana Portelinha são as autoras do livro infantil “Os Óculos Mágicos”, uma obra que contou com a ilustração de Natalina Cóias e que procura “criar uma estória com a qual as crianças se possam identificar”.

Ler mais 4 Julho 2022
AtualidadeEntrevistas