“A visão é um processo de aprendizagem”

Imagem da notícia: “A visão é um processo de aprendizagem”

Luís Manuel Costa Dias Pereira tem uma longa carreira (e vida) ligada à oftalmologia. “A decisão de me dedicar quase de forma exclusiva à estrabologia prendeu-se com a sensação de desafio que senti, ainda na fase de formação, por constatar que era uma área em que poderia atuar profilaticamente, ainda na prevenção primária, o que considero ser um dos aspetos mais importantes da medicina”.

OftalPro: Quais as alterações psicológicas que podem estar presentes no estrabismo? E como preveni-las?
Luís Pereira: Do ponto de vista estético, o estrabismo é mal aceite pela maior parte das sociedades. Ter um aspeto diferente dos outros leva muitas vezes à troça e hostilização. O mesmo acontece no relacionamento interpessoal. Tem um impacte negativo na autoestima. O desenvolvimento da personalidade das crianças pode ser afetado por este problema. Também a relação pais-filhos pode ser afetada por problemas psicológicos aumentando a ansiedade dos pais. Daí que estas alterações, como já sugeri anteriormente, podem ser minimizadas pela participação em decisões que dizem respeito ao tratamento médico-cirúrgico do problema que afeta os filhos. Como é do conhecimento geral, a prevenção, como tudo, deve começar antes do nascimento. Por isso, a gravidez deve ser planeada e os cuidados gerais de saúde devem iniciar-se antes de engravidar. A mulher grávida deve antes de mais ter os cuidados gerais compatíveis com uma vida saudável. Estes incluem uma dieta cuidada, um bom equilíbrio entre o exercício físico adequado e o repouso e abstinência de fumo, álcool e outras drogas. Devemos ter presente que a visão é um processo de aprendizagem. Na espécie humana a visão não se encontra completamente desenvolvida ao nascer. A acuidade visual é nessa altura muito baixa (equivalente a 1/10), mas aumenta rapidamente nas primeiras semanas de vida. Os primeiros três meses de vida são particularmente importantes para o estabelecimento da fixação e desenvolvimento da acuidade visual na criança. A capacidade de perseguição de um estímulo visual é igualmente importante, relacionando-se com a fixação, a acuidade visual, a motilidade ocular e o desenvolvimento do campo visual. Aos quatro anos, é de esperar uma acuidade visual de cerca de 7/10 e de 10/10 aos cinco anos. Qualquer anomalia que interfira com este processo de aprendizagem, com este adquirir de competências, terá necessariamente consequências a longo prazo. O exame oftalmológico da criança não está confinado à avaliação da função visual… Como existem dois olhos, nunca esquecer que um pode ver mal sem ser notado e o estrabismo é um dos responsáveis por esta situação grave.

Entrevista completa na OftalPro 39.

11 Dezembro 2017
Entrevistas

PUBLICIDADE
MIDO 2021
`

Notícias relacionadas

Cláudia Bacalhau em entrevista

Cláudia Bacalhau ingressou no Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa em 2003 e no Internato Complementar de Oftalmologia em 2011, no Centro Hospitalar de Setúbal, onde ainda colabora. Foi assistente convidada na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa e na Escola Superior de Tecnologias de Saúde do Instituto Politécnico de Lisboa. Atualmente, trabalha no Hospital da Luz Setúbal e na Clínica ALM Oftalmolaser, estando mais dedicada à oftalmologia pediátrica.

Ler mais 16 Outubro 2020
Entrevistas

Entrevista com Joaquim Mira em formato vídeo

Joaquim Mira, natural de uma aldeia do concelho da Batalha, nunca imaginou que seria médico oftalmologista, mas sempre soube que o seu objetivo era ir longe. Veja aqui parte da sua entrevista em vídeo!

Ler mais 28 Agosto 2020
EntrevistasOftalmologia

A oftalmologia depois da Covid-19

Os impactos da pandemia Covid-19 na oftalmologia e noutras ciências da visão, como a ortóptica, as medidas que os profissionais, clínicas e unidades hospitalares devem tomar para minimizar uma nova crise e os pontos positivos a retirar de toda esta situação foram as questões colocadas pela OftalPro.

Ler mais 1 Julho 2020
EntrevistasOftalmologia